Domingo, 11 de Outubro de 2009

A recente atribuição do Prémio Nobel da Paz ao Presidente Barack Obama causa-me, devo confessar, alguma perplexidade.


Tenho pelo Presidente Obama a maior consideração e deposito nele, como já o escrevi, uma enorme esperança no que concerne a concretização de políticas e acções globais que permitam uma real melhoria nas relações internacionais conducentes a uma evolução positiva da Humanidade.


Só pelo facto de ter sido eleito Presidente dos EUA e de ter conseguido travar a estapafúrdia e incompetente política da equipa do seu desastroso antecessor (cuja política belicosa, altamente mortífera para a convivência pacífica entre povos, civilizações e religiões, era sustentada no vício da mais descarada mentira, da mais despudorada e prepotente arrogância, com o apoio, diga-se, dos seus serventuários e apaniguados europeus, por uma ganância sem limites, por um catastrófico desprezo ambiental, por um permanente enxovalho dos Direitos Humanos mais elementares e por um unilateralismo perigoso e estéril que colocou o Mundo à beira de um precipício apocalíptico), constituiu um acto notável e o Presidente Obama seria sempre merecedor, só por isso, de ser futuramente galardoado com o Prémio Nobel da Paz.


Afirmadas estas minhas considerações e convicções, considero que a atribuição já este ano do Prémio Nobel da Paz ao Presidente Obama foi precipitada.


As excelentes e vitais disposições do Presidente Obama, homem de bem e de paz, estão ainda quase todas por concretizar e por validar ao escrutínio do tempo.


Se é incontestável que, graças à vontade e à dinâmica do Presidente Obama, constatamos hoje, o que é extraordinário, a existência de um clima mais sadio no nosso Planeta, na abordagem das questões globais e no relacionamento internacional (a luta contra a miséria, o tratamento das questões do continente africano, o combate às alterações climáticas, a limitação do armamento nuclear, o fim da provocação à Rússia com a decisão dos EUA em suspenderem a polémica instalação de mísseis nas fronteiras ocidentais da Rússia, o reforço dos contactos multilaterais, o respeito pelas Nações Unidas concretizado na postura, nos discursos e no pagamento das suas contribuições em atraso, o empenhamento na questão palestiniana, a tentativa de implementação de regras na especulação financeira e nas renumerações de certos gestores…) não é menos verdade que certas violações dos Direitos Humanos, assim como alguns desafios e ameaças globais, continuam e poderão agravar-se!


Concretamente: a persistência da inqualificável prisão de Guantanamo, pese embora a decisão do seu encerramento há quase nove meses, o quebra-cabeças iraquiano sem resolução à vista e de imprevisíveis negativas consequências, o lamaçal afegão com a já mais que previsível retomada de poder pelos talibãs devido a erros tácticos e estratégicos de palmatória, o impasse político e humano na crucial questão da Palestina, o latente e crescente confronto com o Irão devido ao seu programa nuclear (sem que ninguém, perante um silêncio ensurdecedor, se interrogue sobre se o programa nuclear de Israel assim como de outros países já detentores de arsenais atómicos estão a ser devidamente supervisionados e escrutinados, o que não acontece que se saiba, pela Agência Internacional de Energia Atómica! Quem decide, como tão bem se interroga o meu querido Amigo Professor Adriano Moreira, quais os estados “fiáveis” que podem ter a arma nuclear e os “não fiáveis” que não a podem ter?), as tremendas consequências das alterações climáticas (que resultados concretos sairão da conferência de Copenhaga em Dezembro próximo? Serão nulos se os países ricos não aceitarem modificar o seu paradigma de desenvolvimento, diminuindo drasticamente as suas emissões de CO2, permitindo assim que os BRIC e todos os outros países em desenvolvimento possam prosseguir com os seus planos de crescimento), …


É por tudo isso que sinceramente penso, sem qualquer desprimor para com um Ser Humano que admiro, que a atribuição do Prémio já este ano ao Presidente Obama foi prematura. Poderia ter esperado dois ou três anos para que o tempo permitisse ver a concretização de certas intenções!


Não obstante, percebo perfeitamente qual a mensagem que, com essa decisão muito política, o Comité do Nobel quis dar: Premiar desde já uma vontade notável no discurso e na postura (apesar do seu último discurso e do “ultimato” feito ao Irão…), pese embora ainda com poucos efeitos práticos concretizados nos desafios e ameaças que acima referi, e incentivar, pressionando, concretizações futuras e sustentáveis de Paz no Próximo e Médio Orientes, sem esquecer um empenho decisivo na luta contra a miséria e no combate às alterações climáticas, seguramente os maiores e mais urgentes desafios e ameaças para o nosso advir colectivo.


Faço sinceros votos para que tal se verifique. Tenha o Presidente Obama força, engenho e arte para “rasgar” as camisas de sete varas, os fortíssimos lóbis, capazes de imobilizar essas suas boas vontades! Refiro-me concretamente aos seguintes lóbis: o petrolífero, o armamentista e o que bloqueia qualquer solução para a insustentável questão palestiniana e para o imbróglio da questão nuclear iraniana, questões só ultrapassáveis com muito bom senso, equidade, paridade e determinação política inquebrantável.


Se assim conseguir, defendo que durante os próximos cinco anos o Prémio Nobel da Paz seja atribuído ao Presidente Obama. Senão temo muito que este Prémio Nobel da Paz não venha a encontrar a sua plena justificação, à semelhança do que aconteceu com vários outros no passado.


Tags:

publicado por Fernando Nobre às 23:15
link do post | comentar | ver comentários (28)

Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre nasceu em Luanda em 1951. Em 1964 mudou-se para o Congo e, três anos mais tarde, para Bruxelas, onde estudou e residiu até 1985, altura em que veio para Portugal, país das suas origens paternas. É Doutor em Medicina pela Universidade Livre de Bruxelas, onde foi Assistente (Anatomia e Embriologia) e Especialista em Cirurgia Geral e Urologia. (continuar a ler)
FOTO DA SEMANA


LIVROS QUE PUBLIQUEI

- "Viagens Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Gritos Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Imagens Contra a Indiferença",
Círculo de Leitores / Temas & Debates


- "Histórias que contei aos meus filhos",
Oficina do Livro


- "Mais Histórias que Contei aos Meus Filhos", Oficina do Livro

- "Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária", Temas e Debates/Círculo de Leitores

- "Um conto de Natal", Oficina do Livro
Pesquisa
 
Contador de Visitas
Subscrever feeds