Sexta-feira, 28 de Outubro de 2011

 

Chegado aos meus 60 anos, interventor e observador global há mais de três décadas, é com tristeza que constato que chegámos a um fim de ciclo. Se a Humanidade não reagir, como um todo que é - com coerência, ética e preocupação social - perante a crise que vivemos (e que deve ser entendida talvez como uma derradeira oportunidade), mergulhará num precipício e as guerras regressarão também ao continente europeu, mercê de um colapso ético, social, politico, económico e financeiro já evidentes.

 

Vivemos actualmente a quarta grande crise/oportunidade global dos últimos 22 anos. Se todas elas, e já desperdiçámos as três últimas, tivessem sido devidamente interpretadas e conducentes a um novo paradigma humano, individual e colectivo, com a correcta hierarquização das prioridades e valores, não teríamos chegado ao ponto de desnorte e aparente, porque desejada por alguns, impotência a que chegámos.

 

 A primeira grande crise/oportunidade recente deu-se em 1989 com a Queda do Muro de Berlim e o subsequente desmoronar do império soviético. Nesse ano deu-se também o massacre na Praça Tiananmen, em Pequim, na China. Os povos mostraram então que estavam sedentos de liberdade, entendimento e fraternidade humanos. Os decisores globais assim não entenderam.

 

Um novo mundo esteve então ao nosso alcance: poderia ter passado a ser mais ético, mais fraterno, com menos exclusão, melhor ambiente, menos alterações climáticas. O ocidente, e nós europeus também, em vez de estendermos uma união e uma mão fraterna aos povos russo e chinês, só reagimos em termos de xadrez geopolítico no sentido do poder e da hegemonia: quisemos esmagar a Rússia, esfomeando-a e humilhando-a e fizemos ouvidos de mercador aos gritos de Tiananmen. O mercado falou mais alto. Permitimos o fracasso da Cimeira do Rio em 1992, o genocídio no Ruanda em 1994 e a miséria no Congo, Somália…

 

A segunda grande crise/oportunidade global dos últimos 22 anos aconteceu dia 11-09-2001 em Nova Iorque (que presenciei ao vivo). A tragédia do 11-09-2001 (toda a gente já esqueceu o 11-09-1973 entre o médico Allende e o carniceiro Pinochet!) foi a manifestação brutal do ódio e da rejeição totais e de uma nova forma de terrorismo.

 

Sem pensar nas causas, o que nos deveria ter impelido a secar o pântano das misérias e das humilhações diárias que matam milhões de seres humanos, liderados por Bush, Rumsfeld, Cheney, Wolfowitz, Perle, Blair, Berlusconi e …. Barroso, fixámo-nos todos apenas no castigo, no petróleo e num terror sem fim. Esquecemos o verdadeiro desenvolvimento e aprofundámos o desentendimento. Deu-se o caos no Afeganistão* e no Iraque*…  e não ajudámos a resolver a situação entre Israel* e a Palestina*, a bem dos dois povos, dos dois Estados e do mundo. Há 10 anos que o impasse persiste e a situação parece fora de controlo.

 

A terceira crise/oportunidade perdida eclodiu em 2008 com a falência do Lehman Brother que pôs a nu os subprime e o sistema financeiro tipo casino. Num efémero despertar das consciências, ou talvez numa peça de teatro bem encenada, orquestrada e repleta de cinismo e hipocrisia, os decisores globais falaram de uma mais eficiente regulação e fiscalização, do controlo dos bónus obscenos e dos off-shores

 

Tudo palavras que o vento levou. Ficaram, segundo o Banco Mundial, mais duzentos milhões de pobres e uma profunda revolta e humilhação dos povos!

 

Sempre em crescendo e complementando-se, 1989, 2001, 2008, eis-nos em 2011-12, o fim de ciclo, a quarta crise/oportunidade. Talvez a derradeira crise que, se não for vista como derradeira oportunidade, nos poderá levar ao precipício, à falência do sistema, à implosão social e a novas guerras no prazo de uma década.

 

Já o disse e escrevi há vários anos, mercê de décadas de observação directa da questão humanitária, social e política no mundo: temos, não há quanto a mim volta a dar, de conseguir uma mudança de paradigma individual e colectivo que permita três coisas:

  1. Sobrepor a ética e os valores altruístas e humanos às questões sociais, questões sociais essas que devem sobrepor-se às questões políticas, as quais, por sua vez, se devem sobrepor às económicas que, por fim, se sobreporão às questões financeiras. Ou seja, uma ordem de valores diametralmente oposta à que vigora na sociedade actual.
  2. O estado e o mercado devem estar ao serviço do bem-estar e da felicidade dos cidadãos e não, como acontece hoje em dia, o estado e os cidadãos ao serviço do mercado, com a subsequente e permanente socialização dos prejuízos e privatização dos lucros! Tal não é aceitável nem sensato. Para isso precisamos de cidadãos activos, políticos e empresários esclarecidos, conscientes e determinados.
  3. Sinergias francas e totais de todos os centros de investigação do mundo a fim de conseguirmos os melhores resultados no espaço, no mar, na saúde, no ambiente, na alimentação……

 

Se tal não acontecer rapidamente o sistema financeiro desregulado nos conduzirá aos limites da desumanidade. Assim já o afirmava o Presidente Jefferson, por outras palavras, há mais de duzentos anos.

Se assim não for, e rapidamente, já não será possível sobrepor o optimismo da vontade ao pessimismo da razão!

Que cada um faça a sua opção. Eu tenho feito a minha e por isso travei todos os meus combates, sempre, em nome de uma Cidadania exigente e sempre ao serviço das pessoas e da Humanidade.

 

(Escrito em Dakar a 20 de Setembro de 2011)

   

*Poderia referir muitas outras situações. Essas vivi-as eu e muito me ensinaram.

 



publicado por Fernando Nobre às 19:56
link do post | comentar

6 comentários:
De Mário João Regalado a 22 de Novembro de 2011 às 12:27
Infelizmente vivemos num mundo onde não acaba a ganância dos mais abastados por poder, controlo e bens materiais como penthouses , iates, carros e outros brinquedos. Já os menos abastados, correm atrás das cenouras que lhes mandam e empenham a vida por iPods , iPads e outras tretas que lhes trazem uma felicidade indescritível.
Mas hoje, um em cada sete habitantes deste planeta não vai conseguir comer nada durante o dia inteiro e/ou ter acesso a um cuidado básico de saúde... e a maioria dos outros seis, muda de canal para ver o secret story.


De Anónimo a 14 de Novembro de 2011 às 00:23
Fernando Nobre é a luta contra o desrespeito e a indiferença; conheci Fernando Nobre pessoalmente em 2010 e rendi-me à sua humildade, à sua nobreza, a sua força, à sua constante indignação face à exclusão social, à pobreza completamente desnecessária num mundo cheio de assimetrias sociais. Por ter escolhido a 'road less travelled by', o caminho menos escolhido que é o da compaixão e da solidariedade eu estarei sempre consigo pois acredito que cada um de nós pode e deve marcar a diferença. Parabéns e obrigada Fernando Nobre por tudo o que tem feito pela humanidade, ou seja, por cada um de nós pois como escreveu J.Donne ' nenhum homem é uma ilha' Tudo o que faz por cada desconhecido eu lhe agradeço, por continuar, nunca desistir, por se manter no caminho certo, os meus sinceros agradecimentos. Tal como o nome o indica, Nobre, sempre Nobre. Da sua incondicional amiga e admiradora, Maria Cristina da Costa Matos


De Miguel Horta a 13 de Novembro de 2011 às 21:30
Muito bem dito!
Mas de que forma se poderão dar essas mudanças de paradigma? Quem é do "sistema" não o vai mudar, e todas as actuais lideranças são do "sistema"... Como sair disto?


De Nuno Martins a 12 de Novembro de 2011 às 19:29
Professor,

É com agrado que vejo que voltou a escrever no seu blog.
Nunca perca a força que muito admiro em sim.

Com os melhores cumprimentos,
Nuno Martins


De Felippa Lobato a 10 de Novembro de 2011 às 15:40
Há que “expulsar os vendilhões do Templo".

Há que agir localmente para pôr termo à ditadura do 1% que diariamente esmaga os direitos dos 99% da população humana.

Só a consciência poderá fazer mudar o rumo do comportamento da espécie humana.

Por uma cidadania consciente.
Felippa Lobato


De ISABEL a 10 de Novembro de 2011 às 14:30
Como são sábias as suas palavras de grande senhor e cidadão do mundo! concordo com tudo e continuo a lamentar que o seu país tenha sido demasiado pequeno para alcançar a estatura daqueles que, como o senhor, poderiam fazer a diferença. Este nosso povo tão limitado de tudo, continua a ser enganado e nada alcança para além das aparências.
Obrigada pela generosidade de sempre, Dr. Fernando Nobre.


Comentar post

Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre nasceu em Luanda em 1951. Em 1964 mudou-se para o Congo e, três anos mais tarde, para Bruxelas, onde estudou e residiu até 1985, altura em que veio para Portugal, país das suas origens paternas. É Doutor em Medicina pela Universidade Livre de Bruxelas, onde foi Assistente (Anatomia e Embriologia) e Especialista em Cirurgia Geral e Urologia. (continuar a ler)
FOTO DA SEMANA


LIVROS QUE PUBLIQUEI

- "Viagens Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Gritos Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Imagens Contra a Indiferença",
Círculo de Leitores / Temas & Debates


- "Histórias que contei aos meus filhos",
Oficina do Livro


- "Mais Histórias que Contei aos Meus Filhos", Oficina do Livro

- "Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária", Temas e Debates/Círculo de Leitores

- "Um conto de Natal", Oficina do Livro
Pesquisa
 
Contador de Visitas