Quarta-feira, 20 de Novembro de 2013

No dia da partida de uma equipa da AMI para as Filipinas, onde se irá juntar à equipa que está no terreno desde o dia 12 de novembro a prestar assistência à população afetada pelo Tufão Haiyan ou Yolanda na Ilha de Leyte, e perante mais um impasse na Conferência do Clima em Varsóvia (como já tinha acontecido na cimeira Rio+20, onde estive presente), apesar dos discursos e apelos emocionados dos delegados das Filipinas, tomo a liberdade de publicar um texto que escrevi para o editorial da revista AMINotícias (n.º 43) em 2007 e que, infelizmente, continua muito atual.

 

Desde a Cimeira do Rio em 1992, sobre alterações climáticas e o subsequente Protocolo de Quioto, que os EUA e a China nunca ratificaram, forçoso é constatar que pouco ou nada se fez no que diz respeito às causas responsáveis pelas alterações climáticas do nosso planeta.

O que aconteceu desde então, pese embora a urgência das respostas perante as alterações constatadas (os inquietantes “efeito de estufa” e “aquecimento global”) bem como a elevada previsibilidade das suas tremendas consequências, consubstanciou-se sobretudo, e isto foi muito positivo independentemente dos responsáveis políticos globais, na esclarecida e decisiva tomada de consciência do problema por parte da emergente Cidadania Global. Como consequência dessa metamorfose cívica, ocorreram umas parcas, diminutas e tímidas medidas de contenção por parte de alguns governos e da União Europeia. Mesmo estes, não souberam estar à altura das suas responsabilidades ao não reagirem e atuarem com a determinação exigida a curto e médio prazo, remetendo as aplicações concretas dos objetivos medíocres anunciados para prazos dilatados ou até mesmo para as calendas gregas.

E assim, no pântano da indecisão e incompetência, já se passaram 15 anos! Nestes 15 anos, poderíamos e deveríamos ter sido muito mais ambiciosos e audaciosos na poupança de matérias-primas através da reciclagem, na substituição dos hidrocarbonetos (do petróleo, do carvão e do gás como fontes energéticas absolutas) e na consequente diminuição das emissões de CO2.

Já então tínhamos as capacidades tecnológicas para o fazer! Faltou, repito, a vontade e a determinação políticas, assim como a sensibilidade humanística por parte do imenso poderio do “complexo petroquímico” que não quis, e continua a não querer até hoje, prescindir de uma parte dos seus fáceis e faraónicos lucros obtidos a partir da exploração das jazidas de matérias fósseis, quase sempre sem as justas contrapartidas de bem-estar para as populações dos países “produtores”. Pelo contrário, veja-se a miséria oferecida aos nativos, do Médio Oriente à costa ocidental de África, como contrapartida da exploração do ouro negro. Faltou igualmente, por parte da sociedade civil organizada, e aqui fica o mea culpa, uma sensibilização adequada e sustentada junto das sociedades dos países mais ricos no sentido da contenção do seu consumismo de modo a contribuírem para um desenvolvimento equitativo e sustentado global do nosso planeta.

Em vez de prevenir, preferimos remediar! Eis-nos agora perante a iminência de catástrofes cataclísmicas provocadas pelo aquecimento global, tais como:

  • derretimento dos glaciares polares, da Gronelândia e dos picos glaciares onde tínhamos as maiores reservas de água doce do planeta (em breve, por exemplo, já não haverá neve no cume do Kilimanjaro...);
  • catástrofes naturais, tais como secas, inundações, tufões, ciclones e furacões (um acréscimo de 30% em 2007 comparativamente a 2006!);
  • aumento da fome devido às repercussões que as alterações climáticas terão nas colheitas;
  • fluxos de refugiados e deslocados climáticos e guerras pelo controlo dos recursos hídricos;
  • subida do nível da água dos mares e oceanos com o desaparecimento já previsto e anunciado de ilhas (no Pacífico e no Índico) e de significativas regiões das orlas costeiras em todos os continentes, incluindo na Europa (ex: região da Camarga, em França) onde já se começa a pensar, como medida preventiva, na construção de diques como os existentes na Holanda;
  • ressurgimento de doenças tropicais, tais como a malária, o dengue e a febre amarela, nomeadamente no Sul da Europa (e por isso, em Portugal também) devido à expansão das áreas propícias a insetos vetores (mosquitos...);

 

Tais consequências são já consideradas irreversíveis, faça-se o que se fizer hoje, para os próximos 25 a 30 anos! Já amanhã! Tal foi assumido no relatório anual de 2007 do International Institute for Strategic Studies que refere que essas alterações poderão provocar conflitos internacionais “equivalentes a uma guerra nuclear” e também pelos delegados do Grupo Intergovernamental de Peritos sobre a Evolução do Clima. Por isso, as Nações Unidas estão a prever necessitar um montante adicional de 4 mil milhões de USD no seu orçamento, sobretudo para reagir às crises humanitárias climáticas em 2008...

 

Será preciso mais para acordarmos todos? Ou será que já escolhemos um futuro autofágico e suicida? De que estamos à espera? De mais discursos e mais cimeiras como a que decorreu em Bali, na Indonésia, que juntou cerca de 13 mil pessoas e 190 países, com muita retórica e modestos e dececionantes objetivos práticos?

Em nome da humanidade, de todos nós, dos nossos filhos e netos É PRECISO ATUARMOS JÁ, mesmo tendo em conta a irreversibilidade próxima de algumas funestas consequências, resultado da nossa total cegueira das últimas duas a três décadas.  O nosso Planeta já não aguenta e não tolera mais os nossos desmandos globais. Não temos sabido escutar e interpretar os muitos sinais anunciadores de mudanças e, por isso mesmo, não soubemos ainda adaptar-nos corretamente aos novos tempos e às suas prementes exigências; temos sido péssimos gestores do nosso bem-estar futuro. Mais levianos e incompetentes é difícil. Somos todos responsáveis da não assistência ao nosso planeta em perigo! É, pois, já, uma questão de vida ou de morte! Mais vale um acordar violento do que os cantos de sereia com que alguns irresponsáveis e incompetentes gananciosos globais nos querem adormecer, levando-nos ao suicídio coletivo.

A AMI, como gotinha de água que é, está a atuar e prepara-se para o que aí vem. Está a atuar em Portugal e no Mundo. Como? Aumentando e reforçando as suas iniciativas de reciclagem (RX, consumíveis informáticos, telemóveis, óleos alimentares...), iniciadas há 12 anos, desafiando empresas e cidadãos para a compensação das suas emissões de CO2 através da plantação de árvores autóctones (Projeto Ecoética); alargando a sua rede de apoio social em Portugal e atuando em mais de 45 países de todos os continentes, tentando criar, com as nossas equipas e os nossos parceiros locais, as condições de desenvolvimento sustentáveis para as suas populações, tendo sempre em mente o nosso futuro global coletivo.

Estamos também a preparar-nos para o que pensamos ser, desde já, inevitável: tragédias climáticas e fluxos migratórios massivos. Como? Alargando a nossa rede de contactos globais, criando uma rede social de apoio forte e alargada em Portugal e reforçando as nossas capacidades humanas, logísticas e financeiras para que nos permitam atuar sempre que necessário e possível...

Ao tentarmos antecipar-nos às crises, prevendo-as “tanto quanto humanamente é possível fazê-lo”, e ao tentarmos adaptar-nos às mudanças já inevitáveis, pretendemos, só e apenas, dar o nosso contributo positivo. É a nossa gota de água na construção da Paz e da Harmonia globais. É apenas uma gotinha, mas dela não prescindimos, em nosso nome e em nome dos nossos filhos e netos!

Com todos vós, estou certo, vamos conseguir!



publicado por Fernando Nobre às 14:24
link do post | comentar

Segunda-feira, 8 de Julho de 2013

É um lugar-comum dizer-se que a “Água é vida” mas não deixa de ser cientificamente exato quando se sabe que o ser humano é cerca de 70% água e que ela é essencial na constituição de todo o organismo vivo, animal ou vegetal, que integra a nossa biosfera.

 

Por outro lado, é fundamental entendermos todos que o conjunto do mundo hídrico – a hidrosfera – rios, oceanos, glaciares, lençóis freáticos, humidade, em conjunto com a atmosfera e a biosfera constituem um bem comum, partilhado e partilhável por todos nós, um verdadeiro Condomínio da Terra. Ora, a sua preservação é vital para o futuro da nossa espécie e a sustentabilidade da sobrevivência da civilização humana no planeta Terra a médio prazo (100 a 300 anos).

 

Há pois que procurar ter bom senso na sua conservação e ser equitativo na gestão e distribuição desse bem coletivo, precioso e insubstituível que é a Água. Para já, não é o caso e as disparidades são brutais.

 

Senão vejamos: em média, um norte-americano gasta por dia (para beber, cozinhar, higiene pessoal, lavagem de roupa e loiça, jardinagem, lavagem do carro, agricultura industrial, agropecuária…) cerca de 400 litros de água, um europeu 200 a 300 litros, um cidadão de um país menos avançado 30 a 50 litros e uma pessoa num campo de refugiados, cerca de 15 a 25 litros, já para não falar de certos seres humanos em situações de extrema privação que se contentam com 2 a 5 litros, ou até menos… Claro, não?

 

A não resolução atempada, isto é imediata, deste premente desafio, provocará grandes guerras no século XXI. Aliás, já provocou: a chacina do Darfur também tem obviamente a ver com a questão do controlo da escassa água de superfície para satisfação geral da pastorícia e da agricultura…

 

O controlo das nascentes dos rios e suas bacias hidrográficas, dos lençóis freáticos e rios subterrâneos rapidamente se tornará na questão central de conflitos violentos. Em caso de penúria grave deste bem tão precioso, a Água, esses conflitos nem sempre, ou raramente, serão dirimidos pelo Direito Internacional.

 

Será o direito da força a ditar as regras da sobrevivência.

 

Basta pensarmos que no Sahel as mulheres andam em média 10 a 15 Km para se abastecerem de água num poço, enquanto nós, em nossas casas, felizmente, basta-nos abrir uma torneira para tomarmos consciência do luxo incrível que está reservado à minoria de que fazemos parte.

 

Por outro lado, evidentemente, a água consumida não tem toda a mesma qualidade e, quando contaminada, como acontece frequentemente, provoca inúmeras doenças na maioria dos países onde a AMI atua. E de várias formas: por ingestão (cólera, febre tifoide ou paratifoide, disenteria, diarreias infecciosas….) ou por contacto, já que é o habitat de vetores (mosquitos, moscas…) que provocam outras patologias tais como a malária, dengue, oncocercose (cegueira dos rios), febre amarela, doença do sono, etc...

 

E é por isso que a AMI, na sua ação, e em termos práticos, dá enorme importância a esta temática específica, seja financiando a construção de poços de água herméticos (para evitar a contaminação das águas) na Índia, Guiné, Senegal, Bangladesh, seja nas suas intervenções de emergência, pondo sempre a tónica na purificação da água, como aconteceu nas Honduras, ou vendo-se impelida a atuar no combate à epidemia da cólera como o fez na Guiné-Bissau o ano passado.

 

“Uma gota de água para vós, um oceano para nós” como ainda há uns anos me disse um chefe de aldeia no Senegal quando inaugurámos um poço construído com o financiamento da AMI.

 

Nessa medida, continuaremos a atuar, sempre, em nome da equidade, do desenvolvimento e da Paz.



publicado por Fernando Nobre às 09:47
link do post | comentar

Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

O comentário que fiz esta manhã no programa da RTP "Bom Dia Portugal", às 9:32, pode ser visto aqui.


Tags: ,

publicado por Fernando Nobre às 14:24
link do post | comentar

Segunda-feira, 22 de Abril de 2013

É um lugar-comum dizer-se que a “Água é vida” mas não deixa de ser cientificamente exato quando se sabe que o ser humano é cerca de 70% água e que ela é essencial na constituição de todo o organismos vivo, animal ou vegetal, que integra a nossa biosfera.

 

Por outro lado é essencial entendermos todos que o conjunto do mundo hídrico - a hidrosfera - rios, oceanos, glaciares, lençóis freáticos, humidade, em conjunto com a atmosfera e a biosfera constituem um bem comum, partilhado e partilhável por todos nós, um verdadeiro Condomínio da Terra. Ora a preservação, para o futuro da nossa espécie e a sustentabilidade da sobrevivência da civilização humana no planeta Terra a médio prazo (100 a 300 anos), é vital.

 

Há pois que procurar ter bom senso na sua preservação e ser equitativo na gestão e distribuição desse bem coletivo, precioso e insubstituível que é a Água. Para já não é o caso e as disparidades são brutais. Senão vejamos: em média, um norte-americano gasta por dia (para beber, cozinhar, higiene pessoal, lavagem de roupa e loiça, jardinagem, lavagem do carro, agricultura industrial, agropecuária…) cerca de 400 litros de água, um europeu 200 a 300 litros, um cidadão de um país menos avançado 30 a 50 litros e uma pessoa num campo de refugiados, cerca de 15 a 25 litros, já para não falar de certos seres humanos em situações de extrema privação que se contentam com 2 a 5 litros, ou até menos…Claro, não?

 

Por outro lado, evidentemente, a água consumida não tem toda a mesma qualidade o que, quando contaminada, como acontece frequentemente, provoca inúmeras doenças nos países onde a AMI atua com frequência. E de várias formas: por ingestão (cólera, febre tifoide ou paratifoide, disenteria, diarreias infeciosas….) ou por contacto, já que é o habitat de vetores (mosquitos, moscas…) que provocam outras patologias tais como a malária, dengue, oncocercose (cegueira dos rios), febre amarela, doença do sono, etc..

 

É pois fundamental que, no conceito de pegada ecológica (hoje em dia entendida sobretudo como “energética”), se integre a importantíssima pegada hídrica e que se pugne pela sua sustentabilidade. Também é imprescindível que a água potável seja exclusivamente reservada à alimentação, usando-se para o resto do consumo hídrico água reciclada, valorizando na construção de habitações, a captação das águas pluviais canalizadas para cisternas e represas de água…

 

A não resolução atempada, isto é imediata, deste premente desafio provocará grandes guerras no século XXI. Aliás, já provocou: a chacina de Darfur também tem obviamente a ver com a questão do controlo da escassa água de superfície para satisfação geral da pastorícia e da agricultura…

 

O controlo das nascentes dos rios e suas bacias hidrográficas, dos lençóis freáticos e rios subterrâneos rapidamente se tornará na questão central de conflitos violentos. Em caso de penúria grave deste bem tão precioso, a Água, esses conflitos nem sempre, ou raramente, serão dirimidos pelo Direito Internacional. Será o direito da força a ditar as regras da sobrevivência.

 

Basta pensarmos que no Sahel as mulheres andam em média 10 a 15 Km para se abastecerem de água num poço, enquanto nós, em nossas casas, felizmente basta-nos abrir, uma torneira para tomarmos consciência do luxo incrível que está reservado à minoria de que fazemos parte.

 

E é por isso que a AMI, na sua ação, e em termos práticos, dá enorme importância a esta temática específica, seja financiando a construção de poços de água herméticos (para evitar a contaminação das águas) na Índia, Guiné, Senegal, Bangladesh, seja nas suas intervenções de emergência, pondo sempre a tónica na purificação da água, como aconteceu nas Honduras, ou vendo-se  impelida a atuar no combate à epidemia da cólera como o fez na Guiné-Bissau o ano passado.

 

“Uma gota de água para vós, um oceano para nós” como ainda há uns anos me disse um chefe de aldeia no Senegal quando inauguramos um poço construído com o financiamento da AMI. Nessa medida continuaremos a atuar, sempre, em nome da equidade, do desenvolvimento e da Paz.

 

 

 

 


Tags: ,

publicado por Fernando Nobre às 11:04
link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 8 de Setembro de 2009

Aqui fica o último texto que escrevi para editorial da AMInotícias, distribuída na passada semana. Da Cidade do México, onde estou para a reunião anual do Departamento de Informação Pública das Nações Unidas com a Sociedade Civil, na qual faço questão de participar sempre (que este ano, com toda a pertinência, versa sobre o desarmamento - pela paz e pelo desenvolvimento), deixo uma nota pessoal: aceitei integrar a Comissão de Honra da recandidatura de António d'Orey Capucho à Autarquia de Cascais, uma vez que sou munícipe deste Concelho há 15 anos e me sinto, naturalmente, envolvido no futuro do Município. Mais uma vez, a minha decisão tem como única origem a minha consciência e única causa o que penso ser o meu dever de cidadão independente e livre.

 

O meu envolvimento em iniciativas relacionadas com eleições nacionais (legislativas ou autárquicas) fica, garantidamente, reduzido a esta opção, que, repito, é estritamente pessoal.

 

 

Só a partir de Galileu, pese embora a ortodoxia das cúpulas da Igreja Católica que insistiam na tese de Copérnico em ver não só o nosso Planeta como ponto central do nosso Sistema Solar, mas até de todo o Universo, a Humanidade começou a entender, progressivamente, que o nosso Planeta mais não era do que um dos corpos em movimento à volta da estrela Sol, como esta não era mais do que um dos centenas de milhar de pontos luminosos da nossa Galáxia Via Láctea e que esta mais não era do que uma das mais pequenas galáxias das centenas de milhar, ou milhões, de galáxias em perpétuo valsar no infinito Universo, em expansão (para onde… se ele já é infinito?) ou em contracção o que simplesmente ultrapassa o meu fraco entendimento de ser finito.
Agora uma coisa é certa: desde o Renascimento, em poucos míseros séculos à escala temporal universal, passámos, com o nosso Planeta, da centralidade do Universo para mais não sermos do que uma poeira insignificante e invisível que, qual neutrão, rodopia numa imensidão que nos ultrapassa.
Depois chegou-nos o conhecimento da esmagadora velocidade a que a luz se propaga (300.000 km/s) e os muitos milhares de anos-luz que separam a nossa estrela, o Sol, da mais próxima estrela, outro “Sol”, e do seu provável sistema planetário…
Com a teoria da Relatividade de Einstein e a sua celebérrima fórmula E= MC2 ficámos atarantados. Que energia será essa, onde estará ela, que permitirá impulsionar uma massa, por exemplo uma nave espacial, à velocidade da luz no espaço inter-estelar, inter-galáctico ou intersideral mesmo privado de gravidade, e mesmo assim levando milhares de anos até ao mais próximo sistema planetário eventual…. Evidentemente só à velocidade do pensamento poderíamos lá chegar…
Para já, com os nossos foguetões a atingirem uns míseros 30000 km/h… E tal impossibilidade de atingirmos outros sistemas solares, muito provavelmente perdurará para as próximas centenas, ou milhares, de anos, pese embora a evolução tecnológica fabulosa que se perspectiva. É verdade que muitas vezes, como não me canso de repetir, a realidade ultrapassa a ficção…
Foi então que os nossos cientistas se puseram a estudar com afinco o nosso próprio sistema solar, uma vez descartadas as míticas aventuras dos marcianos e outros venusianos, para ver onde, ainda que com múltiplas adaptações (Gravidade, O2, Água, Temperatura, Luz…), as nossas espécies vivas, incluindo a humana, poderiam instalar-se e sobreviver caso a vida se tornasse impossível no nosso Planeta.
Entretanto nós, portugueses, tínhamos iniciado, com as descobertas e os achamentos, a grande aventura da globalização do Planeta que, com a evolução tecnológica, hoje é um facto irreversível: nos anos 60 do século XX foi lançado o conceito de “Aldeia Global”…
Com a sedentarização, a melhoria da alimentação, das normas de higiene e os progressos da medicina preventiva e curativa, a explosão demográfica aconteceu. Se em 1900, desde o início da humanidade com as cidades sumérias e mesopotâmicas há uns 10 mil anos, só éramos 1000 milhões de habitantes no planeta, em 1921, quando a minha Mãe nasceu, já éramos uns 2000 milhões e em 1951, quando eu nasci, passámos a ser 3000 milhões. Hoje, já ultrapassámos os 6000 milhões a consumir cada vez mais e a esgotar os recursos do planeta (fontes minerais, energéticas, mares, solos…) e a poluir o ar (atmosfera), os rios e oceanos (hidrosfera) a explorar a terra (fontes minerais, energéticas, solos…) e a arruinar a nossa biodiversidade.
Estes números querem dizer apenas isto: desde o ano em que a minha querida Mãe nasceu a população do Planeta mais do que triplicou e desde que eu nasci mais do que duplicou, com o consumo a disparar tanto na vertente alimentar - mais carne (o que consome muito mais energia para a sua produção: no mínimo 6 vezes mais do que os cereais para o mesmo número de calorias), mais carros, mais televisões, mais computadores, mais telemóveis, mais i-pods…
Tornou-se então necessário, indispensável, calcular a pegada das pessoas, empresas e nações (consumo e subsequente produção do nocivo CO2) para chegar à impossível conclusão, a presente quadratura do círculo: o Planeta não aguenta mais! Tanto mais que os povos dos países emergentes e os outros prosseguirão as suas ambições, estão no seu mais estrito direito, de quererem adoptar o nosso modo de vida e consumo…
Pese embora os vários alertas que os cientistas e os ambientalistas foram dando, sobretudo com o grande grito que foi a Cimeira do Rio, em 1992, e o subsequente Protocolo de Quioto, até à Cimeira de Bali, em 2008, os resultados práticos são manifestamente timoratos e por isso francamente insuficientes.
Perante isto, os grandes centros credíveis de investigação científica mundiais tal como o CNRS (Centre National de Recherche Scientifique) em França, cuja seriedade melhor conheço, devido à minha formação francófona, já estão a elaborar estudos concretos quanto à necessidade e possível viabilidade da evacuação dos habitantes do Planeta Terra, num período de 100 a 300 anos. Calcula-se que será possível evacuar um máximo de um milhão de pessoas (será difícil incluir um português a menos que entre disfarçado de norte-americano ou chinês…), para os únicos três lugares possíveis do nosso sistema planetário: a Lua, Marte e uma lua de Júpiter chamada Europa… E mesmo assim talvez antes se revele indispensável ir-se viver para o fundo dos Oceanos…
Pois bem, é perante esta situação bem real, que já não é de ficção, que têm surgido acções extremamente pertinentes e louváveis como o Projecto 350.org liderado por Bill McKibben, um movimento de cidadania global para alertar e combater o problema do aquecimento global e o movimento “Condomínio da Terra”, de que me orgulho ser um dos Embaixadores.
O movimento “Condomínio da Terra” www.condominiodaterra.org deu o seu verdadeiro pontapé de saída na cidade de Gaia, nome da deusa Terra, na mitologia grega, dia 4 e 5 de Julho de 2009 e contou com a participação de nacionais, nos quais me incluí, e estrangeiros, que se preocupam seriamente com o advir do nosso planeta.
Este projecto, coordenado pelo Dr. Paulo Magalhães, honra lhe seja feita pelo extraordinário mérito da iniciativa, conta com os patrocínios da Quercus, Comissão Nacional da UNESCO, Câmara Municipal de Gaia e outras entidades públicas e empresas cidadãs que felizmente entenderam a positiva mensagem e acção que esse movimento pretende concretizar: a nossa Terra como condomínio global que, à semelhança de qualquer imóvel, tem áreas comuns, de que todos são co-responsáveis pela conservação e preservação. No caso da Terra: a Atmosfera, a Hidrosfera e a Biodiversidade! Simples, não? Mas genial e com muito para fazer. Esta esperança só será concretizável, e é imperativo que o seja rapidamente, com a empenhada e inequívoca participação dos 3 pilares das Nações e Estados do Mundo! Vamos a isso: não há tempo para mais delongas… É de projectos inovadores e esperançosos como este que precisamos todos e por eles temos o dever de nos empolgar!
O Planeta Terra assim o exige.
 



publicado por Fernando Nobre às 11:10
link do post | comentar | ver comentários (27)

Segunda-feira, 3 de Agosto de 2009

Porque, sei-o bem, uma imagem vale mais que mil palavras, deixo-vos uma pequena selecção de fotografias da autoria de Isabel Nobre, minha filha.

 

Talvez assim o meu grito tenha mais força.

 



publicado por Fernando Nobre às 15:31
link do post | comentar | ver comentários (59)

Sexta-feira, 31 de Julho de 2009

Meus amigos,

 

Após uma longa ausência, devida à escrita de dois livros que serão publicados este ano (um de análise sobre os desafios e esperanças no Mundo e outro de histórias infantis), às múltiplas tarefas na AMI, conferências, aulas e ausências do país, estou de regresso antes de partir de férias, como marido e pai, em deambulações por este lindo Portugal (Beira Baixa e sobretudo Douro e Minho, onde estão, há muitos séculos, as minhas raízes paternas).

 

Mas antes de me ausentar para descansar, olhar, ler e ser marido e pai quase a tempo inteiro, quero deixar aqui algumas reflexões sobre o que vi durante a minha última estadia no Bangladesh, que terminou há dias. Nos últimos dez anos, foi a terceira vez que fui ao Bangladesh, cuja capital Dhaka (floresta) foi fundada por padres portugueses no sec. XVII e onde ainda hoje continuam a morrer habitantes, de uma minoria católica, com apelidos portugueses: Albergaria, Soares, Costa…

 

O Golfo de Bengala, onde desagua o delta do Rio Ganges, foi, inclusivamente, uma área muito frequentada pelas nossas caravelas, na sua epopeia pelo Oceano Índico. Desta vez fui ao Bangladesh acompanhado, pelo meu irmão José Luís, excelente operacional logístico que me acompanha há 15 anos nas missões mais difíceis e, raríssimo, pela minha filha Isabel, antropóloga e fotógrafa, que decidiu seguir-me pelos caminhos do Mundo.

 

O objectivo desta viagem foi o de contactar uma ONG local em Jessore, uns 280Km para sul de Dhaka, para financiarmos projectos que aprovei, nas áreas da saúde e educação, e tomar contacto com a realidade das tragédias repetitivas que ocorrem no delta do Ganges.

 

O Bangladesh, com cerca de 150 000Km2 (1,5 vezes Portugal) tem uma população de cerca de 150 milhões de pessoas (15 vezes Portugal) e autonomizou-se do Paquistão com a ajuda militar da Índia em 1971 deixando então de ser o “Paquistão Oriental” que nada tinha a ver com o “Paquistão Ocidental”, actual Paquistão, a não ser o islamismo.

 

Os bengalis do Bangladesh são o mesmo povo que habita o estado indiano do West Bengal, que tem como capital Calcutá, onde já estive muitas vezes. Com a densidade populacional que tem (é como se Portugal tivesse 100 milhões de habitantes), qualquer tragédia climática, como tem acontecido em crescendo nas últimas duas décadas no delta do Ganges (maioritariamente situado no Bangladesh), afecta centenas de milhares ou milhões de pessoas nesse país. Até há duas ou três décadas havia, em média, um ciclone que fustigava o Golfo de Bengal com efeitos temíveis no delta do Ganges, todos os 7 a 10 anos.

 

Desde 1991 (ano em que um ciclone matou nesse delta mais de 200 000 pessoas) que os ciclones, como os furacões no Golfo do México, mercê das gravíssimas e aceleradas alterações climáticas em curso, fustigam o Golfo de Bengala, 2 a 3 vezes por ano. O último foi em Maio do corrente ano e foi isso que me levou aos dois distritos de delta (Satkhira e Khulna). Foram dias intensos de carro, estradas perigosíssimas com autocarros bailarinos lançados que nem mísseis, de travessias de jangadas, de barcos, de canoas…

 

O delta continua gravemente submerso, afectando profundamente a vida de muitas dezenas de milhares de pessoas que vivem em situações de insalubridade e de precariedade inimagináveis, amontoados em tugúrios, frágeis e instáveis, ao longo dos caminhos-estradas, os pontos mais altos que circundam os campos, hoje imensos lagos ou mares… As latrinas, múltiplas, à beira das águas correm directamente para as mesmas, salobras e extremamente poluídas mas de onde se bebe…

 

Não espanta que 80% das enfermidades tenham a ver com essa água infecta! Essas populações precisam de tudo embora ainda alguns consigam apanhar uns peixitos, que comem, e alguns camarões para venda. Precisam de água potável, comida, assistência médica, abrigos, saneamento básico (latrinas estanques) embora o espaço para tal seja milimétrico… Como sempre os três elos mais fracos dessa cadeia humana, toda flagelada, são as crianças, as mulheres, os idosos… seres humanos como nós!... caso alguém tenha esquecido, ou finja não ver, que eles são seres humanos como nós…

 

Perante tudo o que vi, e após conversas com as autoridades locais das comunidades afectadas em Satkhira, decidi que a AMI vai financiar a construção e apetrecho (equipamento, medicamentos, médico e enfermeiro locais) de um hospital rural com 10 camas, no ponto mais alto possível e com estrutura para resistir a cheias e furacões, e a sanitação (clorificação da água e latrinas). É pouco, mas é o que podemos fazer. Para os pseudo-cientistas, sem ética nem coluna vertebral, que insistem em dizer e escrever que as alterações climáticas são um mito proponho-lhes, se tiverem coragem, uma viagem ao delta do Ganges no Bangladesh.

 

O futuro será bem pior: degelo progressivo também dos Himalaias (origem do Ganges, Rio Amarelo…) e subida do nível das águas dos oceanos… Ainda mais dramático: centenas de milhões de pessoas serão afectadas ou mortas, em regiões e países densamente povoados e financeira e tecnologicamente frágeis, que não podem já construir os diques, como os meus familiares holandeses…

 

Desculpem-me: vou continuar a gritar!

Até breve!

 

PS: Para aqueles que ainda me enviam cartas com impropérios, porque aceitei ser o mandatário nacional do BE ao Parlamento Europeu, dou um conselho: não percam o vosso tempo. Os sectários, donos da verdade e dos julgamentos maniqueístas não mudarão o meu pensamento. É-me grato reconhecer que a maioria assim não é. O Concelho de Gaia, presidido pelo meu amigo e colega Dr. Luís Felipe Menezes, demonstrou a sua tolerância, por unanimidade, ao me concederem a Medalha de Honra e a Cidadania Honorária. Foi a decisão, cidadã, que muito me honrou. Não luto por medalhas. Senão adoptava o discurso politicamente correcto… Abraço!



publicado por Fernando Nobre às 16:24
link do post | comentar | ver comentários (23)

Domingo, 18 de Janeiro de 2009

Desde a Cimeira do Rio em 1992, sobre alterações climáticas e o subsequente Protocolo de Quioto (que os EUA e a China nunca ratificaram) forçoso é constatar que pouco ou nada se fez no que diz respeito às causas responsáveis pelas alterações climáticas do nosso planeta.

O que aconteceu desde então, pese embora a urgência das respostas perante as alterações constatadas (os inquietantes “efeito de estufa” e “aquecimento global”) bem como a elevada previsibilidade das suas tremendas consequências, consubstanciou-se sobretudo, e isto foi muito positivo independentemente dos responsáveis políticos globais, na esclarecida e decisiva tomada de consciência do problema por parte da emergente Cidadania Global. Como consequência dessa metamorfose cívica, ocorreram umas parcas, diminutas e tímidas medidas de contenção por parte de alguns governos e da União Europeia. Mesmo estes não souberam estar à altura das suas responsabilidades ao não reagirem e actuarem com a determinação exigida a curto e médio prazo, remetendo as aplicações concretas dos objectivos medíocres anunciados para prazos dilatados ou até mesmo para as calendas gregas.

E assim, no pântano da indecisão e incompetência, já se passaram 16 anos! Nestes 16 anos poderíamos e deveríamos ter sido muito mais ambiciosos e audaciosos na poupança de matérias-primas através da reciclagem, na substituição dos hidrocarbonetos (do petróleo, do carvão e do gás como fontes energéticas absolutas) e na consequente diminuição das emissões de CO2.

Já então tínhamos as capacidades tecnológicas para o fazer! Faltou, repito, a vontade e a determinação políticas, assim como a sensibilidade humanística por parte do imenso poderio do “complexo petroquímico” que não quis, e continua a não querer até hoje, prescindir de uma parte dos seus fáceis e faraónicos lucros obtidos a partir da exploração das jazidas de matérias fósseis, quase sempre sem as justas contrapartidas de bem-estar para as populações dos países “produtores”.
Pelo contrário, veja-se a miséria oferecida aos nativos, do Médio Oriente à costa ocidental de África, como contrapartida da exploração do ouro negro.

Faltou igualmente, por parte da sociedade civil organizada, e aqui fica o mea culpa, uma sensibilização adequada e sustentada junto das sociedades dos países mais ricos no sentido da contenção do seu consumismo de modo a contribuírem para um desenvolvimento equitativo e sustentado global do nosso planeta.

Em vez de prevenir, preferimos remediar! Eis-nos agora perante a iminência de catástrofes cataclísmicas provocadas pelo aquecimento global, tais como:
• derretimento dos glaciares polares, da Gronelândia e dos picos glaciares onde tínhamos as maiores reservas de água doce do planeta (em breve, por exemplo, já não haverá neve no cume do Kilimanjaro...);
• catástrofes naturais, tais como secas, inundações, tufões e ciclones (um acréscimo de 30% em 2007 comparativamente a 2006, por exemplo!);
• aumento da fome devido às repercussões que as alterações climáticas terão nas colheitas;
• fluxos de refugiados climáticos e guerras pelo controlo dos recursos hídricos;
• subida do nível da água dos mares e oceanos com o desaparecimento já previsto e anunciado de ilhas (no Pacífico e no Índico) e de significativas regiões das orlas costeiras em todos os continentes, incluindo na Europa (ex: região da Camarga, em França) onde já se começa a pensar, como medida preventiva, na construção de diques como os existentes na Holanda;
• ressurgimento de doenças tropicais, tais como a malária, o dengue e a febre amarela, nomeadamente no Sul da Europa (e por isso, em Portugal também) devido à expansão das áreas propícias a insectos vectores (mosquitos...);

Tais consequências são já consideradas irreversíveis, faça-se o que se fizer hoje, para os próximos 25 a 30 anos! Já amanhã! Tal é assumido no relatório anual do International Institute for Strategic Studies que refere que essas alterações poderão provocar conflitos internacionais “equivalentes a uma guerra nuclear” e também pelos delegados do Grupo Intergovernamental de Peritos sobre a Evolução do Clima.

Será preciso mais para acordarmos todos? Ou será que já escolhemos um futuro autofágico e suicida? De que estamos à espera? De mais discursos e mais cimeiras como a que decorreu em Bali, na Indonésia, que juntou cerca de 13 mil pessoas e 190 países, com muita retórica e modestos e decepcionantes objectivos práticos?

Em nome da humanidade, de todos nós, dos nossos filhos e netos É PRECISO ACTUARMOS JÁ, mesmo tendo em conta a irreversibilidade próxima de algumas funestas consequências, resultado da nossa total cegueira das últimas duas a três décadas. O nosso Planeta já não aguenta e não tolera mais os nossos desmandos globais. Não temos sabido escutar e interpretar os muitos sinais anunciadores de mudanças e, por isso mesmo, não soubemos ainda adaptar-nos correctamente aos novos tempos e às suas prementes exigências; temos sido péssimos gestores do nosso bem-estar futuro. Mais levianos e incompetentes é difícil. Somos todos responsáveis da não assistência ao nosso planeta em perigo! É, pois, já uma questão de vida ou de morte! Mais vale um acordar violento do que os cantos de sereia com que alguns irresponsáveis e incompetentes gananciosos globais nos querem adormecer levando-nos ao suicídio colectivo.

A AMI, como gotinha de água que é, está a actuar e prepara-se para o que aí vem. Está a actuar em Portugal e no Mundo, desenvolvendo vários projectos na área ambiental.

Estamos também a preparar-nos para o que pensamos ser, desde já, inevitável: tragédias climáticas e fluxos migratórios massivos. Como? Alargando a nossa rede de contactos globais, criando uma rede social de apoio forte e alargada em Portugal e reforçando as nossas capacidades humanas, logísticas e financeiras para que nos permitam actuar sempre que necessário e possível...
Ao tentarmos antecipar-nos às crises, prevendo-as “tanto quanto humanamente é possível fazê-lo”, e ao tentarmos adaptar-nos às mudanças já inevitáveis, pretendemos, só e apenas, dar o nosso contributo positivo. É a nossa gota de água na construção da Paz e da Harmonia globais. É apenas uma gotinha, mas dela não prescindimos, em nosso nome e em nome dos nossos filhos e netos!


Com todos vós, estou certo, vamos conseguir! Obrigado e um 2009 determinado e tenaz pela construção de um mundo mais justo e harmonioso.

 

 



publicado por Fernando Nobre às 12:32
link do post | comentar | ver comentários (10)


Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre nasceu em Luanda em 1951. Em 1964 mudou-se para o Congo e, três anos mais tarde, para Bruxelas, onde estudou e residiu até 1985, altura em que veio para Portugal, país das suas origens paternas. É Doutor em Medicina pela Universidade Livre de Bruxelas, onde foi Assistente (Anatomia e Embriologia) e Especialista em Cirurgia Geral e Urologia. (continuar a ler)
FOTO DA SEMANA


LIVROS QUE PUBLIQUEI

- "Viagens Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Gritos Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Imagens Contra a Indiferença",
Círculo de Leitores / Temas & Debates


- "Histórias que contei aos meus filhos",
Oficina do Livro


- "Mais Histórias que Contei aos Meus Filhos", Oficina do Livro

- "Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária", Temas e Debates/Círculo de Leitores

- "Um conto de Natal", Oficina do Livro
Pesquisa
 
Contador de Visitas