Terça-feira, 30 de Dezembro de 2014

Queridos Amigos,

Numa altura em que mais um ano está prestes a terminar, deixo-vos aqui mais uma crónica publicada na Visão Solidária, com os votos de um novo ano com muita esperança, amor, paz, tolerância, cidadania e fraternidade.




publicado por Fernando Nobre às 13:50
link do post | comentar

Segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

Caros Amigos,

Partilho convosco mais um artigo de opinião publicado na Visão Solidária.

Pode ser lido aqui



publicado por Fernando Nobre às 09:45
link do post | comentar

Segunda-feira, 21 de Julho de 2014
Um texto que escrevi há anos, aqui mesmo neste blog, e que está dolorosamente atual...
 

Há momentos em que a nossa consciência nos impede, perante acontecimentos trágicos, de ficarmos silenciosos porque ao não reagirmos estamos a ser cúmplices dos mesmos por concordância, omissão ou cobardia. 

O que está a acontecer entre Gaza e Israel é um desses momentos. É intolerável, é inaceitável e é execrável a chacina que o governo de Israel e as suas poderosíssimas forças armadas estão a executar em Gaza a pretexto do lançamento de roquetes por parte dos resistentes (“terroristas”) do movimento Hamas.

 

Importa neste preciso momento refrescar algumas mentes ignorantes ou, muito pior, cínicas e distorcidas:

- Os jovens palestinianos, que são semitas ao mesmo título que os judeus esfaraditas (e não os askenazes que descendem dos kazares, povo do Cáucaso), que desesperados e humilhados atuam e reagem hoje em Gaza são os netos daqueles que fugiram espavoridos, do que é hoje Israel, quando o então movimento “terrorista” Irgoun, liderado pelo seu chefe Menahem Beguin, futuro primeiro ministro e prémio Nobel da Paz, chacinou à arma branca durante uma noite inteira todos os habitantes da aldeia palestiniana de Deir Hiassin: cerca de trezentas pessoas. Esse ato de verdadeiro terror, praticado fria e conscientemente, não pode ser apagado dos Arquivos Históricos da Humanidade (da mesma maneira que não podem ser apagados dos mesmos Arquivos os atos genocidários perpetrados pelos nazis no Gueto de Varsóvia e nos campos de extermínio), horrorizou o próprio Ben Gourion mas foi o ato hediondo que provocou a fuga em massa de dezenas e dezenas de milhares de palestinianos para Gaza e a Cisjordânia possibilitando, entre outros fatores, a constituição do Estado de Israel.


- Alguns, ou muitos, desses massacrados de hoje descendem de judeus e cristãos que se islamisaram há séculos durante a ocupação milenar islâmica da Palestina. Não foram eles os responsáveis pelos massacres históricos e repetitivos dos judeus na Europa, que conheceram o seu apogeu com os nazis: fomos nós os europeus que o fizemos ou permitimos, por concordância, omissão ou cobardia! Mas são eles que há 60 anos pagam os nossos erros e nós, a concordante, omissa e cobarde Europa e os seus fracos dirigentes assobiam para o ar e fingem que não têm nada a ver com essa tragédia, desenvolvendo até à náusea os mesmos discursos de sempre, de culpabilização exclusiva dos palestinianos e do Hamas “terrorista” que foi eleito democraticamente mas de imediato ostracizado por essa Europa sem princípios e acéfala, porque sem memória, que tinha exigido as eleições democráticas para depois as rejeitar por os resultados não lhe convirem. Mas que democracia é essa, defendida e apregoada por nós europeus?


- Foi o governo de Israel que, ao mergulhar no desespero e no ódio milhões de palestinianos (privados de água, luz, alimentos, trabalho, segurança, dignidade e esperança ), os pôs do lado do Hamas, movimento que ele incentivou, para não dizer criou, com o intuito de enfraquecer na altura o movimento FATAH de Yasser Arafat. Como inúmeras vezes na História, o feitiço virou-se contra o feiticeiro, como também aconteceu recentemente no Afeganistão.


- Estamos a assistir a um combate de David (os palestinianos com os seus roquetes, armas ligeiras e fundas com pedras...) contra Golias (os israelitas com os seus mísseis teleguiados, aviões, tanques e se necessário...a arma atómica!).


- Estranha guerra esta em que o “agressor”, os palestinianos, têm 100 vezes mais baixas em mortos e feridos do que os “agredidos”. Nunca antes visto nos anais militares!


- Hoje Gaza, com metade a um terço da superfície do Algarve e um milhão e meio de habitantes, é uma enorme prisão. Honra seja feita aos “heróis” que bombardeiam com meios ultra-sofisticados uma prisão praticamente desarmada (onde estão os aviões e tanques palestinianos?) e sem fuga possível, à semelhança do que faziam os nazis com os judeus fechados no Gueto de Varsóvia!


- Como pode um povo que tanto sofreu, o judeu do qual temos todos pelo menos uma gota de sangue (eu tenho um antepassado Jeremias!), estar a fazer o mesmo a um outro povo semita seu irmão? O governo israelita, por conveniências políticas diversas (eleições em breve...), é hoje de facto o governo mais anti-semita à superfície da terra!


- Onde andam o Sr. Blair, o fantasma do Quarteto Mudo, o Comissário das Nações Unidas para o Diálogo Inter-religioso e os Prémios Nobel da Paz, nomeadamente Elie Wiesel e Shimon Perez? Gostaria de os ouvir! Ergam as vozes por favor! Porque ou é agora ou nunca!


- Honra aos milhares de israelitas que se manifestam na rua em Israel para que se ponha um fim ao massacre. Não estão só a dignificar o seu povo, mas estão a permitir que se mantenha uma janela aberta para o diálogo, imprescindível de retomar como único caminho capaz de construir o entendimento e levar à Paz!


- Honra aos milhares de jovens israelitas que preferem ir para as prisões do que servir num exército de ocupação e opressão. São eles, como os referidos no ponto anterior, que notabilizam a sabedoria e o humanismo do povo judeu e demonstram mais uma vez a coragem dos judeus zelotas de Massada e os resistentes judeus do Gueto de Varsóvia!

Vergonha para todos aqueles que, entre nós, se calam por cobardia ou por omissão. Acuso-os de não assistência a um povo em perigo! Não tenham medo: os espíritos livres são eternos!

 

É chegado o tempo dos Seres Humanos de Boa Vontade de Israel e da Palestina fazerem calar os seus falcões, se sentarem à mesa e, com equidade, encontrarem uma solução. Ela existe! Mais tarde ou mais cedo terá que ser implementada ou vamos todos direito ao Caos: já estivemos bem mais longe do período das Trevas e do Apocalipse.

É chegado o tempo de dizer BASTA! Este é o meu grito por Gaza e por Israel (conheço ambos): quero, exijo vê-los viver como irmãos que são.
 



publicado por Fernando Nobre às 22:05
link do post | comentar

Segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Caros Amigos,

 

no Dia Mundial da Saúde, partilho, mais uma vez, convosco, algumas das minhas preocupações sobre dois temas intrinsecamente ligados aos Objetivos do Milénio, nomeadamente a fome e a saúde, convidando-vos a ler aqui mais uma crónica publicada na Visão Solidária e a refletir sobre a importância de pugnarmos por ações concretas na prossecução de resultados visivelmente melhores.



publicado por Fernando Nobre às 09:44
link do post | comentar

Segunda-feira, 8 de Julho de 2013

É um lugar-comum dizer-se que a “Água é vida” mas não deixa de ser cientificamente exato quando se sabe que o ser humano é cerca de 70% água e que ela é essencial na constituição de todo o organismo vivo, animal ou vegetal, que integra a nossa biosfera.

 

Por outro lado, é fundamental entendermos todos que o conjunto do mundo hídrico – a hidrosfera – rios, oceanos, glaciares, lençóis freáticos, humidade, em conjunto com a atmosfera e a biosfera constituem um bem comum, partilhado e partilhável por todos nós, um verdadeiro Condomínio da Terra. Ora, a sua preservação é vital para o futuro da nossa espécie e a sustentabilidade da sobrevivência da civilização humana no planeta Terra a médio prazo (100 a 300 anos).

 

Há pois que procurar ter bom senso na sua conservação e ser equitativo na gestão e distribuição desse bem coletivo, precioso e insubstituível que é a Água. Para já, não é o caso e as disparidades são brutais.

 

Senão vejamos: em média, um norte-americano gasta por dia (para beber, cozinhar, higiene pessoal, lavagem de roupa e loiça, jardinagem, lavagem do carro, agricultura industrial, agropecuária…) cerca de 400 litros de água, um europeu 200 a 300 litros, um cidadão de um país menos avançado 30 a 50 litros e uma pessoa num campo de refugiados, cerca de 15 a 25 litros, já para não falar de certos seres humanos em situações de extrema privação que se contentam com 2 a 5 litros, ou até menos… Claro, não?

 

A não resolução atempada, isto é imediata, deste premente desafio, provocará grandes guerras no século XXI. Aliás, já provocou: a chacina do Darfur também tem obviamente a ver com a questão do controlo da escassa água de superfície para satisfação geral da pastorícia e da agricultura…

 

O controlo das nascentes dos rios e suas bacias hidrográficas, dos lençóis freáticos e rios subterrâneos rapidamente se tornará na questão central de conflitos violentos. Em caso de penúria grave deste bem tão precioso, a Água, esses conflitos nem sempre, ou raramente, serão dirimidos pelo Direito Internacional.

 

Será o direito da força a ditar as regras da sobrevivência.

 

Basta pensarmos que no Sahel as mulheres andam em média 10 a 15 Km para se abastecerem de água num poço, enquanto nós, em nossas casas, felizmente, basta-nos abrir uma torneira para tomarmos consciência do luxo incrível que está reservado à minoria de que fazemos parte.

 

Por outro lado, evidentemente, a água consumida não tem toda a mesma qualidade e, quando contaminada, como acontece frequentemente, provoca inúmeras doenças na maioria dos países onde a AMI atua. E de várias formas: por ingestão (cólera, febre tifoide ou paratifoide, disenteria, diarreias infecciosas….) ou por contacto, já que é o habitat de vetores (mosquitos, moscas…) que provocam outras patologias tais como a malária, dengue, oncocercose (cegueira dos rios), febre amarela, doença do sono, etc...

 

E é por isso que a AMI, na sua ação, e em termos práticos, dá enorme importância a esta temática específica, seja financiando a construção de poços de água herméticos (para evitar a contaminação das águas) na Índia, Guiné, Senegal, Bangladesh, seja nas suas intervenções de emergência, pondo sempre a tónica na purificação da água, como aconteceu nas Honduras, ou vendo-se impelida a atuar no combate à epidemia da cólera como o fez na Guiné-Bissau o ano passado.

 

“Uma gota de água para vós, um oceano para nós” como ainda há uns anos me disse um chefe de aldeia no Senegal quando inaugurámos um poço construído com o financiamento da AMI.

 

Nessa medida, continuaremos a atuar, sempre, em nome da equidade, do desenvolvimento e da Paz.



publicado por Fernando Nobre às 09:47
link do post | comentar

Domingo, 11 de Outubro de 2009

A recente atribuição do Prémio Nobel da Paz ao Presidente Barack Obama causa-me, devo confessar, alguma perplexidade.


Tenho pelo Presidente Obama a maior consideração e deposito nele, como já o escrevi, uma enorme esperança no que concerne a concretização de políticas e acções globais que permitam uma real melhoria nas relações internacionais conducentes a uma evolução positiva da Humanidade.


Só pelo facto de ter sido eleito Presidente dos EUA e de ter conseguido travar a estapafúrdia e incompetente política da equipa do seu desastroso antecessor (cuja política belicosa, altamente mortífera para a convivência pacífica entre povos, civilizações e religiões, era sustentada no vício da mais descarada mentira, da mais despudorada e prepotente arrogância, com o apoio, diga-se, dos seus serventuários e apaniguados europeus, por uma ganância sem limites, por um catastrófico desprezo ambiental, por um permanente enxovalho dos Direitos Humanos mais elementares e por um unilateralismo perigoso e estéril que colocou o Mundo à beira de um precipício apocalíptico), constituiu um acto notável e o Presidente Obama seria sempre merecedor, só por isso, de ser futuramente galardoado com o Prémio Nobel da Paz.


Afirmadas estas minhas considerações e convicções, considero que a atribuição já este ano do Prémio Nobel da Paz ao Presidente Obama foi precipitada.


As excelentes e vitais disposições do Presidente Obama, homem de bem e de paz, estão ainda quase todas por concretizar e por validar ao escrutínio do tempo.


Se é incontestável que, graças à vontade e à dinâmica do Presidente Obama, constatamos hoje, o que é extraordinário, a existência de um clima mais sadio no nosso Planeta, na abordagem das questões globais e no relacionamento internacional (a luta contra a miséria, o tratamento das questões do continente africano, o combate às alterações climáticas, a limitação do armamento nuclear, o fim da provocação à Rússia com a decisão dos EUA em suspenderem a polémica instalação de mísseis nas fronteiras ocidentais da Rússia, o reforço dos contactos multilaterais, o respeito pelas Nações Unidas concretizado na postura, nos discursos e no pagamento das suas contribuições em atraso, o empenhamento na questão palestiniana, a tentativa de implementação de regras na especulação financeira e nas renumerações de certos gestores…) não é menos verdade que certas violações dos Direitos Humanos, assim como alguns desafios e ameaças globais, continuam e poderão agravar-se!


Concretamente: a persistência da inqualificável prisão de Guantanamo, pese embora a decisão do seu encerramento há quase nove meses, o quebra-cabeças iraquiano sem resolução à vista e de imprevisíveis negativas consequências, o lamaçal afegão com a já mais que previsível retomada de poder pelos talibãs devido a erros tácticos e estratégicos de palmatória, o impasse político e humano na crucial questão da Palestina, o latente e crescente confronto com o Irão devido ao seu programa nuclear (sem que ninguém, perante um silêncio ensurdecedor, se interrogue sobre se o programa nuclear de Israel assim como de outros países já detentores de arsenais atómicos estão a ser devidamente supervisionados e escrutinados, o que não acontece que se saiba, pela Agência Internacional de Energia Atómica! Quem decide, como tão bem se interroga o meu querido Amigo Professor Adriano Moreira, quais os estados “fiáveis” que podem ter a arma nuclear e os “não fiáveis” que não a podem ter?), as tremendas consequências das alterações climáticas (que resultados concretos sairão da conferência de Copenhaga em Dezembro próximo? Serão nulos se os países ricos não aceitarem modificar o seu paradigma de desenvolvimento, diminuindo drasticamente as suas emissões de CO2, permitindo assim que os BRIC e todos os outros países em desenvolvimento possam prosseguir com os seus planos de crescimento), …


É por tudo isso que sinceramente penso, sem qualquer desprimor para com um Ser Humano que admiro, que a atribuição do Prémio já este ano ao Presidente Obama foi prematura. Poderia ter esperado dois ou três anos para que o tempo permitisse ver a concretização de certas intenções!


Não obstante, percebo perfeitamente qual a mensagem que, com essa decisão muito política, o Comité do Nobel quis dar: Premiar desde já uma vontade notável no discurso e na postura (apesar do seu último discurso e do “ultimato” feito ao Irão…), pese embora ainda com poucos efeitos práticos concretizados nos desafios e ameaças que acima referi, e incentivar, pressionando, concretizações futuras e sustentáveis de Paz no Próximo e Médio Orientes, sem esquecer um empenho decisivo na luta contra a miséria e no combate às alterações climáticas, seguramente os maiores e mais urgentes desafios e ameaças para o nosso advir colectivo.


Faço sinceros votos para que tal se verifique. Tenha o Presidente Obama força, engenho e arte para “rasgar” as camisas de sete varas, os fortíssimos lóbis, capazes de imobilizar essas suas boas vontades! Refiro-me concretamente aos seguintes lóbis: o petrolífero, o armamentista e o que bloqueia qualquer solução para a insustentável questão palestiniana e para o imbróglio da questão nuclear iraniana, questões só ultrapassáveis com muito bom senso, equidade, paridade e determinação política inquebrantável.


Se assim conseguir, defendo que durante os próximos cinco anos o Prémio Nobel da Paz seja atribuído ao Presidente Obama. Senão temo muito que este Prémio Nobel da Paz não venha a encontrar a sua plena justificação, à semelhança do que aconteceu com vários outros no passado.


Tags:

publicado por Fernando Nobre às 23:15
link do post | comentar | ver comentários (28)

Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

Mais uma vez, meus amigos, vos peço desculpa pela minha falta de tempo para este contacto convosco. Tenho um texto sobre Tombouctou escrito na minha mente, mas não ainda no papel... e viajo dia 3 para a Guiné-Bissau... e entre as viagens tenho toda uma série de compromissos (alguns dos quais constantes na rubrica "Eventos em que participo", neste blog)... Escrever neste espaço é, dia após dia, um prazer adiado. Conto com a compreensão de quem esperava mais...

 

Aqui fica, no entanto, um texto sobre a Paz, que escrevi há algum tempo, mas que considero ainda actual.

 

A Paz é e, ouso dizê-lo, sempre foi, a mais imperiosa e absoluta necessidade assim como o maior desejo e sonho da esmagadora maioria das pessoas. Sem Paz, o Mundo muito dificilmente poderá alcançar o Desenvolvimento e a Democracia durável para todos. Disso não tenho dúvidas. Mas se assim é, como se explica que a História da nossa Humanidade possa ser representada, desde sempre (se excluirmos algumas épocas de relativa acalmia e bom senso), por um fresco dominado pelas cores da guerra, da morte, do sofrimento, da exploração, da humilhação e da dor infligidos por seres ditos humanos aos seus semelhantes? 

 

Eis a pergunta dilacerante que me interpela diariamente há três décadas. Como explicarmos tal desvario de comportamento, completamente absurdo e paradoxal? Devo confessar que, quanto mais percorro o Planeta Terra e penso no Universo que nos engloba e nos reduz à insignificância absoluta, mais perplexo fico e mais perdido me sinto ao confrontar-me com a História e sobretudo com a actualidade das guerras e holocaustos.

 

Quanto mais me interrogo, mais convicto fico que o absurdo e o horror com que me tenho confrontado nos quatro cantos do mundo se devem à Indiferença, à Intolerância e à Ganância. A meu ver, são essas as doenças malignas que têm levado a nossa Humanidade aos conflitos incessantes, aos genocídios, à exploração, à humilhação, à despudorada governação global e ao ódio, já de difícil remissão.

 

Essas doenças mortíferas têm corroído a consciência dos seres humanos e têm impedido o surgimento de um novo paradigma nas suas relações. Essas doenças parecem ter atingido a liderança global pois só assim encontro explicação para o desnorteamento total que impera ainda hoje na nossa Humanidade neste início do século XXI e nos mergulhou desde já num Mundo particularmente inquietante, violador e atentatório dos mais elementares direitos humanos, que parece querer conduzir-nos a um novo apocalipse.

 

Todos estamos perfeitamente conscientes, penso eu, que, a menos que os cidadãos no mundo despertem da letargia profunda onde mergulharam, ou foram induzidos, e exijam lideranças globais mais responsáveis, a espada de Dámocles que está suspensa por um frágil fio desabará em cima de todos nós. Estas doenças incendiárias (a Indiferença, a Intolerância e a Ganância), se não forem dominadas com o rápido surgimento de uma nova liderança mundial mais esclarecida, mais responsável, mais sensata e menos geradora de revolta, de humilhação, de injustiça, de exclusão e de ódio, levar-nos-ão a confrontos civilizacionais, religiosos e sociais de dimensões até hoje nunca vistos e inimagináveis.

 

Ao longo da minha caminhada como médico humanitário há três décadas, tendo actuado como tal em mais de 70 países de todos os continentes, considero, repito, que essas doenças são as responsáveis directas de todos os dramas humanos que vivenciei. São elas, quanto a mim , as geradoras das principais ameaças à Paz presente e futura.

 

Mas, quais são as principais ameaças à Paz?


Será que ainda existem esperanças e acções possíveis no sentido de reduzirmos, ou até mesmo anularmos, essas actuais e prementes ameaças à Paz que tanto nos inquietam e amedrontam?


Será que já é irreversível o caminho para o choque de civilizações ou de religiões que alguns propagandeiam e estimulam?

 

Eis-nos perante questões difíceis mas que exigem respostas clarificadoras. Há que encontrar novos caminhos e soluções de mudança para os velhos e novos desafios que enfrentamos. Se assim não for, receio muito que o século XXI acabe ainda bem pior do que começou.

 

Com franqueza, e em boa verdade confesso, temo que já seja tarde demais para atalharmos com eficácia as ameaças que referirei, embora algumas ondas positivas estejam felizmente já lançadas contra o tsunami devastador que nos quer submergir. Mais do que nunca, é fundamental falar de Paz, de cultura de diálogo, de ecumenismo, de entendimento, de pontes entre os povos, e de inclusão.

 

As ameaças mais importantes à Paz, todas elas profundamente violadoras dos Direitos Humanos, e que carecem de resolução urgente para que possamos talvez ainda vislumbrar um amanhã de Paz e um mundo harmonioso são quatro:

 

1. Os conflitos armados no Próximo e Médio Oriente (da Palestina ao Afeganistão passando pelo Iraque)

A não resolução célere, justa e equilibrada desses conflitos é, e será cada vez mais, a causa directa da extensão da conflituosidade entre as comunidades judaica, cristã e muçulmana, e alimentará ainda mais o terrorismo em todo o mundo. A recente guerra entre israelitas e palestinianos, povos irmãos, ainda agravou mais as já explosivas conflituosidades existentes.

 

A pacificação do conflito israelo-palestiniano, com a criação e reconhecimento de dois Estados economicamente viáveis e verdadeiramente soberanos, é a pedra basilar para a eventual resolução dessas tremendas conflituosidades que acabo de referir. Uma vez esse imbróglio histórico, político, territorial e militar ultrapassados, estarão criadas as condições favoráveis para se dar um passo na resolução das outras guerras vigentes na região se, também aí, as nossas democracias souberem fazer passar muito claramente a mensagem de que não serão nunca mais aceites e praticados por nós violações de todo inaceitáveis dos Direitos Humanos, do Direito Internacional e das Convenções de Genebra... Só assim poderemos invocar qualquer autoridade moral para podermos exigir em todo o Mundo o respeito desses direitos elementares.

 

Para mim, já o escrevi há anos, a resolução da tragédia que é o conflito israelo-palestiniano e que está a gangrenar o Mundo só poderá ter um fim se houver dois Estados, reconhecidos e resultando de uma partilha equitativa do território, com soberania plena dos seus governos, com uma utilização equilibrada dos recursos hídricos e um diálogo fraterno entre os dois governos semitas, oriundos de eleições reconhecidas como justas e livres, ficando Jerusalém exclusivamente como Cidade Santa, Património Mundial da Humanidade e sob gestão das Nações Unidas.

 

Quanto às guerras no Afeganistão e no Iraque, a menos que se saia quanto antes airosamente para todos do atoleiro israelo-palestiniano e que a chamada comunidade internacional se empenhe em encontrar rapidamente soluções para as outras ameaças à Paz Global, que passo a enunciar sinceramente, não vejo outra saída que não seja o caos...

 

2. A miséria, a exclusão, a humilhação, a indiferença e o esquecimento a que foram votados ao longo da história largas franjas da população mundial: essa situação tem-se agravado nas últimas décadas mercê de uma má governação em muitos países e de uma orientação económica mundial que ignora o ser humano mais fraco.

 

Já é cansativo e repetitivo citar o que de todos é sabido:
• 1/3 da população mundial vive na pobreza (rendimento per capita <2 USD/dia),
• 1/5 vive na miséria absoluta (r.p.c. <1 USD/dia),
• existe uma real injustiça no acesso à água potável, ao saneamento básico e aos cuidados de saúde minimamente aceitáveis para uma parte importante da população mundial, etc...


Tudo isso é conhecido, assim como são conhecidos Os Objectivos do Milénio, que os líderes mundiais se comprometeram a atingir em 2015 na Cimeira do Milénio nas Nações Unidas em Nova Iorque em Setembro de 2000.

 

Infelizmente já todos sabemos também que esses objectivos não serão atingidos em 2015 como era previsto, o que será um revés grave para a pacificação do planeta. A continuarmos na trajectória actual, esses objectivos, essenciais para todos, talvez só poderão ser alcançados, sobretudo na África Sub-sariana, lá para 2050 ou 2100... A profunda crise financeira, económica e social vigente está a flagelar particularmente os povos mais frágeis e há tanto tempo esquecidos!

 

Chamar-me-ão pessimista! Não. Como o digo e escrevo há anos sou, penso eu, apenas um optimista informado! O tsunami migratório que apavora a Europa (ver o que se passa com a Espanha, a Itália,...) é a prova fundamentada que as políticas ditas “de desenvolvimento” de décadas e nomeadamente os Objectivos do Milénio não estão a surtir efeito algum a sul do planeta, embora um certo discurso politicamente correcto pretenda fazer-nos crer o contrário.

 

Essa onda migratória (os famintos e desesperados estão em marcha...) vai ser avassaladora e, não tenhamos ilusões, não haverá muros, nem canhões, nem barcos de guerra suficientes, em número e em força, para a neutralizar e impedir que a Paz e a ainda existente Democracia no Ocidente sejam gravemente questionadas! Veja-se o que está a acontecer com a aceitação crescente, por parte do eleitorado, dos movimentos e partidos políticos racistas, xenófobos e até nazis, como tem acontecido nas últimas eleições na Europa. É um sinal de alerta grave que tem que ser considerado. Eis o tempo da mudança! Tal está na mão de todos nós!

 

O que eu sei é que essa situação de profunda e imensa exclusão é a grande nutriente do desespero, da frustração e do ódio que alastra por todo o mundo e que alimenta e facilita o recrutamento em massa para os movimentos terroristas e/ou revolucionários violentos. A História assim nos diz: as lideranças desses movimentos sempre pertenceram a elementos letrados da pequena e até da grande burguesia (exceptuando um ou outro caso, como a revolta dos gladiadores liderada por Spartacus...) mas, o que é facto é que a massa humana desses movimentos é, como sempre foi, constituída pelos famintos, excluídos, esquecidos e humilhados. Enquanto não se secar, educando e desenvolvendo, esse verdadeiro pântano da miséria humana, os movimentos terroristas vão ver o recrutamento facilitado e a corrente migratória será imparável.

 

Não é com bombas e metralhadoras que se combate esse fenómeno social que exige, isso sim, uma abordagem responsável e global. O que eu estou certo, enquanto médico, é que a abordagem eficiente das pandemias da malária ou do sida exige uma panóplia de medidas preventivas e curativas. Se não actuarmos da mesma forma, para as matérias que nos preocupam, será impossível atalhar eficazmente as problemáticas que tanto parecem preocupar a liderança mundial: o terrorismo internacional e a imigração selvagem.

 

3. Os Fundamentalismos, Os Movimentos Terroristas e uma Liderança Mundial, a actual, inapta, desadequada e irresponsável (salvo a esperança que ainda representa Obama).

 

Não há dúvida nenhuma que existem hoje no Mundo grupos e movimentos terroristas com ideologias e objectivos que não nos interessam minimamente e que, por meio de acções de terror, procuram destabilizar a ordem vigente, infelizmente enferma das três doenças que já referi.

 

Esses grupos e movimentos terroristas, hoje espalhados no mundo e inter-relacionados, pugnam pela destruição da nossa sociedade e sonham tomar o poder, criando o caos se necessário. Para tal, estão prontos e dispostos a avançar, como já o fizeram, com massacres em massa de inocentes. É evidente que esses grupos têm de ser combatidos com determinação total, mas tal não nos dá o direito de utilizarmos também metodologias terroristas, como se tem verificado e é sobejamente conhecido da opinião pública mundial.Tal não é admissível, como muito justamente diz James Follows (excertos do The Atlantic Monthly de Boston referidos no nº75 do Courrier Internacional) citando David Kilcullen “ É a Al-Qaeda mais a nossa reacção que criam um perigo mortal”, e Sir Richard Dearlove “A causa da América está perdida se esta não conseguir restabelecer a sua estatura moral”.

 

É essencial que nesse combate legítimo, desde que se utilizem armas que não firam mortalmente as nossas Democracias e Liberdades, não se ponha tudo no mesmo saco e que cegamente não se reconheça que há movimentos de resistência, como na Palestina, no Líbano ou no Iraque, com os quais é fundamental que se dialogue para se encontrarem soluções viáveis e sustentáveis.

 

Importa desde já salientar que a denominação “terrorista” foi, e é, volátil. Se olharmos para a história da Humanidade nos últimos 250 anos (e poderíamos recuar muito mais) os pais fundadores dos Estados modernos foram, poderiam ter sido, ou seriam hoje seguramente considerados como terroristas: George Washington, Bolívar, Lenine, Ho Chi Minh, Mao, Charles de Gaulle, Bem Gourion, Menahem Beghim, Yasser Arafat, Amílcar Cabral, Agostinho Neto, Eduardo Mondlane, Samora Machel, Nino Vieira...Não nos esqueçamos que todos os heróicos resistentes europeus à ocupação nazi durante a 2ª Guerra Mundial, assim como os heróicos resistentes judeus no gueto de Varsóvia, foram apelidados de terroristas tendo sido, quando apanhados, todos torturados e muitos executados como Jean Moulin. Também eram chamados de terroristas os guerrilheiros dos movimentos independentistas nas antigas colónias portuguesas, inglesas, francesas... Assim como os movimentos cujo contributo foi decisivo para a criação de novos estados, como aconteceu, por exemplo, com os grupos Irgoun e Stern, tão importantes para a génese do Estado de Israel.

 

Não nos esqueçamos também (como a memória é volúvel!) que os guerrilheiros chechenos, antes do 11/09/2001, eram apelidados pelo Ocidente de “combatentes pela liberdade”, mas num ápice, após o 11/09/2001 (por conveniências geo-políticas globais...), passaram a ser rotulados de “terroristas”. Conjunturas e interesses passageiros...
Alguns desses “terroristas”, tais como Menahem Begin e Yasser Arafat, até acabaram por ser galardoados com o Prémio Nobel da Paz... Incongruências, incoerências, esquecimentos, lobbies, contingências, interesses ou revisões históricas?

Os movimentos verdadeiramente terroristas, aqueles onde se vislumbra não haver reformulação possível dos seus métodos execráveis, existem e têm de ser combatidos com todos os meios, menos o terrorismo, como se fez com o regime nazi durante a II Guerra Mundial, e como se deveria ter feito com o movimento Khmer vermelho no Cambodja e o movimento Interhamwé no Ruanda em 1994. Esses movimentos e regimes foram genocidários, verdadeiramente de terror e era impossível dialogar com tamanhas monstruosidades.

 

Da mesma maneira, acredito firmemente que, em nome da Paz e da equidade presente e futura, é importante e até imprescindível que se dialogue com certos Estados e movimentos catalogados como pertencendo ao “eixo do mal” ou “terroristas” tais como a Síria, o Irão, o Hamas e o Hezbollah. Assim terá de ser para que se encontrem soluções, caso contrário a conflituosidade no Médio Oriente e entre os mundos judaico, cristão e islâmico ficará irremediavelmente fora de controlo e conduzir-nos-á ao tal conflito de civilizações ou de religiões que alguns pretendem.

 

Diabolizando o outro não se constrói a Paz! As correntes fundamentalistas primárias e maniqueístas existem e são infelizmente muito actuantes nas três religiões monoteístas, as religiões do Livro. Para a construção da Paz é e será essencial que a moderação, o bom senso e um verdadeiro sentido ecuménico impere nas cúpulas das três religiões. É fundamental que se fortaleça o diálogo, que sejam enviadas mensagens claras nesse sentido para a opinião pública mundial e que sejam evitados discursos e opiniões negativas ou de fácil distorção.

 

Associado a essa dinâmica de diálogo, de sensibilidade diplomática e, por que não, de Amor e Perdão, é necessário que se pugne por uma boa governação. Temos que pôr termo, pela pressão global sem tibiezas, a todos os governos cleptopatas, escandalosa e notoriamente corruptos que considero serem governos genocidários porque, mesmo se silenciosamente, são responsáveis pela morte de milhões de seres humanos. Não é porque morrem em silêncio, anónimos, sem um grito, longe das câmaras de televisão, que deixam de ser seres humanos! Não são baratas!

 

Os governos irresponsáveis que criam flagrantes desigualdades e iniquidades são particulares geradores de humilhação, de desespero e de ódio. São eles, associados a políticas nefastas globais, que estão a provocar a fuga maciça das suas populações em direcção ao Ocidente. As suas práticas foram quase sempre encobertas ou incentivadas pelo Ocidente sob o espúrio raciocínio como me foi um dia explicado por um governante mundial, que a “corrupção é útil porque é geradora de uma elite rica que, ao investir no seu país, é geradora de riqueza...” (“Deixem-me rir, para não chorar”).

 

Finalmente, não esqueçamos que são da responsabilidade desses mesmos governos as políticas causadoras dealterações climáticas gravíssimas que, a curto e médio prazo, poderão provocar tragédias humanas de grandes dimensões.


4. O Comércio das Armas

Eis um tema melindroso mas real. Os Estados e os movimentos que se guerreiam não o fazem à pedrada nem à flechada! Todos eles se abastecem, quase livremente e às claras, junto dos grandes produtores ou de empresas “particulares” ditas “independentes” mas que têm canais de ligação aos Estados e aos poderes. São muitas vezes empresas fictícias, de fachada, que permitem aos Estados produtores vender e evacuar os seus stocks, sobretudo de bombas, outros explosivos e equipamentos bélicos que tenham os seus prazos próximos da expiração. Muitas vezes é mais fácil enviar esses foguetes explodirem sobre pessoas do que pagar o custo da sua reciclagem. É, neste caso também, a lógica do mercado e da produtividade a funcionarem no seu melhor...

 

O busílis de toda a questão do armamento (produção e venda), que demonstra que o fenómeno da Paz é uma autêntica quadratura do círculo, é que os maiores produtores e vendedores de equipamentos bélicos no e para o Mundo são os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas e que, absurda e cinicamente, são exactamente aqueles que têm como primeira missão zelar pela Paz no Mundo...O que dizer mais?

 

EM CONCLUSÃO, Meus Amigos digo que para haver Paz tem que haver Justiça. Só com Justiça, Sensibilidade e Humanidade poderemos combater as três doenças malignas que referi no início: a INDIFERENÇA, a INTOLERÂNCIA e a GANÂNCIA.

 

Só assim conseguiremos, ainda talvez, soluções para debelarmos as quatro maiores ameaças antes referidas que, quanto a mim, pairam sobre a Paz no Mundo: as guerras incessantes no Médio Oriente (génese do ódio que nutre o terrorismo e o conflito religioso), a Miséria Global (que está na origem do tsunami migratório e facilita, por outro lado, o recrutamento terrorista), o Terrorismo Internacional e a Má Governação (que nutrem a conflitualidade global) e, por fim, o Comércio das Armas.

 

Aos terroristas e diversos beligerantes nunca foi tão fácil recrutar carne para canhão: os famintos miseráveis e humilhados que vomitam ódio pela nossa sociedade de abastança mas exploradora e confrangedoramente desequilibrada.

 

Ousaria dizer que, se resolvêssemos a contento para a Humanidade esses quatro desafios -ameaças à Paz Global, conseguiríamos a criação de um novo paradigma nas relações internacionais e, quem sabe, um novo padrão do Ser Humano.

Ao fim ao cabo para termos Paz bastaria que:
• Todos os Estados respeitassem a Declaração Universal dos Direitos Humanos que ratificaram, assim como as Convenções de Genebra
• Que verdadeiramente pugnassem para que os Objectivos do Milénio fossem atingidos como previsto, o que desde já se revela impossível, em 2015.

 

Se essas quatro ameaças à Paz fossem aniquiladas, penso que todos os outros desafios seriam facilmente superados. Desafios como as alterações climatéricas, a desertificação, o acesso e a repartição equitativas da água (património da humanidade e por isso não privatizável à escala global...), o surgimento e crescimento de partidos políticos racistas e xenófobos, o tsunami migratório que já começou em direcção ao Ocidente, o unilateralismo ou o novo hegemonismo imperial de previsíveis consequências na conflituosidade mundial, as violações graves e repetidas do Direito Internacional e do Direito humanitário, o proteccionismo...teriam solução rápida e justa.

 

Não quereria acabar sem citar quatro indícios de esperança que existem:
1. O despertar da Sociedade Civil Mundial e a tomada de consciência da importância de uma Cidadania Global.
2. Embora não estando a ser conseguidos, a existência dos Objectivos do Milénio demonstram que, nas Nações Unidas, os Estados tomaram consciência de importantes desafios globais que importa urgentemente resolver.
3. Iniciativas como a do Sr. Bill Gates, que demonstram que os Grandes Empresários Globais começam a entender não haver solução para o nosso Planeta se não houver partilha da riqueza.

4. A substituição do nefasto Senhor Bush e sua equipa, pelo Senhor Obama.

 

Penso sinceramente que a Paz, presente e futura, tão ameaçada, tem ainda uma oportunidade. Actuemos já e resolvamos as quatro ameaças, verdadeiros cavaleiros do apocalipse a encaminharem-nos para o Armagedon.

É simples. Basta termos a vontade de ver no “outro” um “semelhante”, e seguirmos dois “mandamentos” muito simples:

“Não matarás” e
“A minha liberdade acaba onde começa a do outro”.

Todos! Cidadãos, Sociedade Civil Organizada, Empresas, Governantes, com particular responsabilidade para os grandes líderes mundiais e as suas instituições (G8, FMI, Banco Mundial, OCDE, OSCE, Nações Unidas, ASEAN, União Africana, Grupo de Roma, Fórum de Davos, etc.)!

 

Só assim será possível formar uma verdadeira Cultura da Paz.


 



publicado por Fernando Nobre às 13:52
link do post | comentar | ver comentários (32)


Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre nasceu em Luanda em 1951. Em 1964 mudou-se para o Congo e, três anos mais tarde, para Bruxelas, onde estudou e residiu até 1985, altura em que veio para Portugal, país das suas origens paternas. É Doutor em Medicina pela Universidade Livre de Bruxelas, onde foi Assistente (Anatomia e Embriologia) e Especialista em Cirurgia Geral e Urologia. (continuar a ler)
FOTO DA SEMANA


LIVROS QUE PUBLIQUEI

- "Viagens Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Gritos Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Imagens Contra a Indiferença",
Círculo de Leitores / Temas & Debates


- "Histórias que contei aos meus filhos",
Oficina do Livro


- "Mais Histórias que Contei aos Meus Filhos", Oficina do Livro

- "Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária", Temas e Debates/Círculo de Leitores

- "Um conto de Natal", Oficina do Livro
Pesquisa
 
Contador de Visitas
Subscrever feeds