Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011

Faço questão de republicar o texto que escrevi quando completei 56 anos (e que aqui publiquei depois, em Dezembro de 2008). Hoje celebro os meus 60 anos e continuo a sentir-me a viver este Outono da Vida.

 

 

Amor, Compaixão e Liberdade: vale a pena viver e lutar!

 

Não sei quanto tempo me resta de vida. Nenhum de nós sabe ao certo e é bom que assim seja. Quando temos 20 anos, pensamos ter a eternidade terrena e ainda bem! Temos então forças e sonhos, ou pensamos ter!, para mudar o Mundo, torná-lo muito melhor, se possível no paraíso reencontrado.

Não há então montanha inacessível, obstáculo inultrapassável, desafio impossível. Já tive 20 anos. Era de aço, dizia o meu Pai, e tinha muitos sonhos. Foi lindo. Pensava que nascíamos todos puros, ingénuos e bons. Magnífica primavera com miragens idílicas: teria o meu hospital no mato tal Albert Schweitzer!

Hoje, ao completar 56 anos, já não sou de aço, já não consigo ficar três dias sem dormir, sempre a trabalhar a olhar pelos meus doentes, como fazia nos hospitais de Bruxelas… Estou no Outono da minha vida e o Inverno vem a galope… Já não há eternidade terrena, já sonho menos, já só há efemeridade e bastante inquietude pelo estado do Mundo. Numa altura em que às vezes os filhos se afastam, estão no seu direito, em que a morte nos ceifa ou ameaça ceifar, amigos, familiares próximos… as interrogações nos tiram o sono… A nossa pequenez interpela-nos: ainda bem.

Vai-se alguma ingenuidade, fortalecem-se algumas certezas.

Assentadas as poeiras estéreis das vaidades, das importâncias e das ambições, só já a valsa das galáxias e o amor dos nossos entes mais queridos nos encantam. Já sabemos que não vamos endireitar o Mundo (de que enorme arrogância padecíamos!), mas sabemos algumas coisas. Sim, sei com a máxima certeza absoluta que vale a pena ainda continuar a viver e a lutar pelo Amor, pela Compaixão e pela Liberdade. Com Paixão. É indeclinável. Sem apelo.

Aos 56 anos, já tudo o resto é fútil, ilusão. Foi-se o aço mas ficou a certeza: não me acomodar com a insensibilidade, com a indiferença, com a falta de amor, de compaixão e de liberdade com que alguns nos querem prender… Envenenando-nos, envenenando-me.

Numa altura em que folhas secas já começaram a cair da minha árvore, levadas por um vento cada vez mais fresco, há meia dúzia de flores que se agarram ao meu tronco com a tenacidade da perenidade.

São as flores que me acompanharão até ao fim e que vos gostaria de oferecer neste final de ano com o desejo sincero que elas se incorporem no vosso tronco e nunca vos abandonem, estejam vocês onde estiverem e seja qual for a estação que estejam a viver.

Amor, compaixão, liberdade, sensibilidade, harmonia, tolerância. Vivam com elas, lutem por elas. Vale a pena. Eu vou fazê-lo. A AMI vai continuar a expandi-las. É em nome dessas flores que chamo filhos a todas as crianças do Mundo e amigos a todos os seres humanos. Já não consigo viver de outro modo.

É essa hoje a minha luta. É ela que me mantém ainda vivo. Afinal ainda tenho sonhos…

 

 



publicado por Fernando Nobre às 13:11
link do post | comentar | ver comentários (3)

Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre nasceu em Luanda em 1951. Em 1964 mudou-se para o Congo e, três anos mais tarde, para Bruxelas, onde estudou e residiu até 1985, altura em que veio para Portugal, país das suas origens paternas. É Doutor em Medicina pela Universidade Livre de Bruxelas, onde foi Assistente (Anatomia e Embriologia) e Especialista em Cirurgia Geral e Urologia.

 

É Doutor Honoris Causa pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa  e Académico Correspondente da Academia Internacional de Cultura Portuguesa. Foi membro do Conselho Geral da Universidade de Lisboa e do Conselho Geral da Universidade da Beira Interior. É Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, regente da cátedra "Medicina Humanitária". Foi Professor Convidado dos cursos de Mestrado e Pós-Graduação na Universidade Autónoma de Lisboa e no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna e conferencista no Instituto de Estudos Superiores Militares.

 

Foi administrador dos Médicos Sem Fronteiras - Bélgica e fundou, em Portugal, a AMI – Assistência Médica Internacional, à qual ainda preside. Participou como cirurgião em mais de duzentas e cinquenta missões de estudo, coordenação e assistência médica humanitária em mais de setenta países de todos os continentes.

 

Em termos associativos:

- foi presidente do Conselho de Curadores e da Assembleia Geral do Instituto da Democracia Portuguesa;

- é Presidente da Assembleia Geral da Associação Tratado de Simulambuco, da qual também é co-fundador;

- é co-fundador do Fórum para a Paz;

- é sócio-honorário e ex-presidente honorário do MIL (Movimento Internacional Lusófono)

- é patrono da Portuguese - Sri Lanka Burgher Foundation; do agrupamento nº900 dos Escuteiros de Monte Abraão, dos Escuteiros de Aveiro, da APARECE (Instituição de Apoio a Adolescentes em Risco) e da Fundação As Crianças são o nosso Futuro (Ucrânia);

- é membro da Associação para a Promoção e Dignificação do Homem, da Real Sociedade de Cirurgia (Bélgica), da Associação Europeia de Urologia, da Associação Portuguesa de Urologia, da Sociedade Portuguesa de Autores, da Sociedade de Geografia de Lisboa e sócio do Grémio Literário;

- é membro da Comissão de Honra de Homenagem a João XXI; 

- é sócio honorário da Associação Académica da Universidade de Aveiro;

- é co-fundador e sócio do Hospital Particular do Algarve;

- é sócio honorário do Lions Clube de Portimão;

- é membro da Sociedade de Geografia de Lisboa;

- é membro do Grémio Literário.

 

Participações civico-políticas, enquanto cidadão independente e a título individual:

- Participação na Convenção do PSD, em 2002;

- Membro da Comissão de Honra e da Comissão Política da candidatura de Mário Soares à Presidência da República, em 2006;

- Mandatário nacional para a campanha do Bloco de Esquerda ao Parlamento Europeu, nas eleições de Junho de 2009;

- Membro da Comissão de Honra da candidatura de António d'Orey Capucho à presidência da Autarquia de Cascais, em 2009;  

- Candidato a Presidente da República, tendo obtido o resultado de 14,1%, nas Eleições Presidenciais de Janeiro de 2011;

- Candidato independente e cabeça-de-lista pelo distrito de Lisboa, pelo PSD, nas Eleições Legislativas em Junho de 2011;

- Candidato, proposto pelo Grupo Parlamentar do PSD, a Presidente da Assembleia da República (não eleito);

- Deputado à Assembleia da República - integrando, como independente, o Grupo Parlamentar do PSD - na XII Legislatura, de 20 de Junho a 1 de Julho de 2011.

  

Ordens Honoríficas:

- Grande Oficial da Ordem do Mérito - Portugal

- Cavaleiro da Legião de Honra - França

- Cavaleiro da Ordem Nacional do Leão - Senegal

- Cavaleiro da Real Ordem da Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa - Casa Real Portuguesa

- Grã-Cruz da Ordem Diocesana de S. Tomé - S. Tomé e Príncipe

- Grã-Cruz da Ordem de "La Couronne" - Casa Real do Ruanda

- Real Placa do Leão - Casa Imperial da Etiópia

 

Confrarias e Irmandades:

- Membro da Irmandade Militar da Nossa Senhora da Conceição - Lamego

- Grande Colar da Ordem Soberana dos Cavaleiros de Santo Urbano e São Vicente (Confraria dos Degustadores de Vinho do Dão) - Viseu

- Confrade de Honra da Confraria da Cabra Velha - Miranda do Corvo

- Membro de Honra da Confraria das Tripas à Moda do Porto - Porto

- Membro da Academia do Bacalhau - Porto

 

Recebeu vários prémios e distinções em Portugal e no estrangeiro, incluindo o primeiro prémio da Associação Europeia de Urologia; a medalha de ouro dos Direitos Humanos, da Assembleia da República Portuguesa; a placa da Presidência da República do Líbano (entregue pelo General Émile Lahoud); e a insígnia de Grand Marshal do Estado de New Jersey (EUA), nas comemorações do Dia de Portugal. É Cidadão de Honra da Câmara Municipal de Cascais, Cidadão de Mérito da Câmara Municipal de Portimão, detentor da Medalha de Honra e Cidadão Honorário da cidade de Vila Nova de Gaia, Embaixador da Boa-Vontade da Ilha de Gorée (Contra a Escravatura), no Senegal e Embaixador do Condomínio da Terra.

 

Livros publicados:

 

- "Viagens Contra a Indiferença", Temas & Debates
- "Gritos Contra a Indiferença", Temas & Debates
- "Imagens Contra a Indiferença", Círculo de Leitores / Temas & Debates
- "Histórias que contei aos meus filhos", Oficina do Livro
- "Mais Histórias que Contei aos Meus Filhos", Oficina do Livro
- "Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária", Temas e Debates/Círculo de Leitores
- "Um conto de Natal", Oficina do Livro

 

 

Tem quatro filhos.

 

Biografia parte I

Biografia parte II

Biografia parte III

Biografia parte IV

Biografia parte V

Biografia parte VI

 


Tags:

publicado por Fernando Nobre às 14:22
link do post | comentar | ver comentários (215)


Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre nasceu em Luanda em 1951. Em 1964 mudou-se para o Congo e, três anos mais tarde, para Bruxelas, onde estudou e residiu até 1985, altura em que veio para Portugal, país das suas origens paternas. É Doutor em Medicina pela Universidade Livre de Bruxelas, onde foi Assistente (Anatomia e Embriologia) e Especialista em Cirurgia Geral e Urologia. (continuar a ler)
FOTO DA SEMANA


LIVROS QUE PUBLIQUEI

- "Viagens Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Gritos Contra a Indiferença",
Temas & Debates

- "Imagens Contra a Indiferença",
Círculo de Leitores / Temas & Debates


- "Histórias que contei aos meus filhos",
Oficina do Livro


- "Mais Histórias que Contei aos Meus Filhos", Oficina do Livro

- "Humanidade - Despertar para a Cidadania Global Solidária", Temas e Debates/Círculo de Leitores

- "Um conto de Natal", Oficina do Livro
Pesquisa
 
Posts recentes

Outono da Vida

Perfil

Contador de Visitas
Subscrever feeds